Textos do Hugo

A tal da resiliência

Conceito de resiliência que encontrei na internet: Capacidade do indivíduo de lidar com problemas, superar obstáculos ou resistir à pressão de situações adversas.
Quem é resiliente aqui levanta a mão! Ninguém se prontifica…
Certas coisas estão além das nossas capacidades. O famoso drama da impotência! Quer queira, quer não, o sol nascerá e morrerá, todos os dias. Pode estribuchar, reclamar, fazer birra, ameaçar… Não há nada que se possa fazer.
Tenho esse costume de estribuchar. Coisa feia…
Aceitar. Enfim, há que se ter um pouco de aceitação. Aceitar que não posso alcançar tudo o que almejo. Seria isto uma espécie de resiliência ou covardia ante os desafios da vida?! Talvez seja louvável a coragem da desistência… No entanto, por mais louvável que seja, permanecerá sempre no pensamento a dúvida: “E se…”
Resiliência é medicamento básico receitado aos homens de hoje. Competitividade, perdas, stress, violência, o mundo é dos espertos, inveja, melindre… Uma hora eu ganho, outra eu perco. Falo o que quero, escuto o que não quero. Piso num calo, levo um soco. Pisam no meu calo, calo a boca. Levo desaforo para casa e deixo almoço pra janta sim! Aos que dão uma boiada para entrar numa briga, tiro meu chapéu, pois dou a mesma boiada para pular fora dela!!
Seja de um jeito ou de outro, estamos submersos numa nuvem de eterno descontentamento e insatisfação. Nada nunca está bom… Estamos doentes.
Preciso terminar esse texto, estou atrasado, vou à farmácia comprar meus comprimidos de resiliência.
Fui…

The following two tabs change content below.
Hugo Ribas é pisciano, escritor, leitor e também uma metamorfose ambulante. Criador deste blog e colunista do blog Que Me Transborde, adora se perder em sentimentos escritos e nem sempre consegue se encontrar em suas próprias palavras. Personagens, narrador e pensamentos se fundem num texto só. Nasceu em Jundiaí - SP e mudou-se para São Paulo - SP aos 16 anos, onde se formou em Design Gráfico e cursou teatro pelo Teatro Escola Macunaima. Apresentou peças de Gianfrancesco Guarnieri e Friedrich Dürrenmatt.

Latest posts by Hugo Ribas (see all)

Comments

comments

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *