Textos do Hugo

Pontes abandonadas

E de repente hoje ouço a música que diz:

“Beba… Pois a água viva está na fonte… Você tem dois pés para cruzar a ponte… Nada acabou.”

Quantas pontes abandonadas definham na espera torturante de serem cruzadas?! Quantas águas escorrem precipício abaixo, evaporando, esquecidas no tempo?!

Certa vez um personagem inventado sonhou que estava diante de uma longa ponte e ouviu o coração dizer que deveria chegar ao outro lado. Ele, aventureiro que era, deu o primeiro passo todo certeza. No entanto, trovões e relâmpagos surgiram no céu trazendo consigo a tempestade do medo. As rajadas de água eram cortantes, o uivo da ventania espantava. O tal personagem não conseguiu atravessar, apesar das inúmeras tentativas. A tempestade era mais forte que ele. Permaneceu ali, abaixado, chorando por não conseguir voltar, lamentando por não ser capaz de prosseguir…

Então ele acordou!

Acordado, tinha como tarefa descobrir as pontes da vida e tentar atravessá-las ainda que trovões rugissem nos céus…

Quando a página virou, narrador e personagem se confundiram um no outro, e o criador descobriu que sua ponte era seu personagem.

The following two tabs change content below.
Hugo Ribas é pisciano, escritor, leitor e também uma metamorfose ambulante. Criador deste blog e colunista do blog Que Me Transborde, adora se perder em sentimentos escritos e nem sempre consegue se encontrar em suas próprias palavras. Personagens, narrador e pensamentos se fundem num texto só. Nasceu em Jundiaí - SP e mudou-se para São Paulo - SP aos 16 anos, onde se formou em Design Gráfico e cursou teatro pelo Teatro Escola Macunaima. Apresentou peças de Gianfrancesco Guarnieri e Friedrich Dürrenmatt.

Latest posts by Hugo Ribas (see all)

Comments

comments

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *