Textos do Hugo

Quando quero ser livre…

Hoje eu quero falar de libertação. Para mim a liberdade pode ter um sentido totalmente oposto ao seu, mas isso não importa. Seja lá o que for essa tal libertação, a verdade é que todos nós estamos numa busca desenfreada por ela. Você quer ser livre para sonhar, eu quero ser livre para amar, outros querem ser livres para ganhar e muitos outros querem ser livres pra qualquer coisa… Mas todos nós, todos nós sem nenhuma exceção, temos algo em comum: Sede de liberdade. E de onde vem essa sede toda?! Será que somos donos de corações aprisionados? Você também sente aquele peso no peito às vezes?! Não seria esse tal peso causado pelas correntes do preconceito, da intolerância ou do rancor? Carregamos pesos desnecessários, isso é fato… As algemas da mágoa, da culpa e do despeito oprimem e encarceram nossa ânsia pela vida. Estamos todos aprisionados dentro de nós… Gritos entalados na garganta. Choros trancados no peito. Ódios infernizando a mente. Quero respirar o ar da liberdade, deixar que o sol ilumine meu sorriso e que as estrelas brilhem nos meus olhos… Quero… Queremos… Desejamos a liberdade, mas esquecemos onde estão guardadas as chaves do perdão, do respeito e do amor… Largamos por aí a chave da amizade… Perdemos a chave da fraternidade. Não acha que está na hora de encontrá-las?! Não acha que já é hora de abrir esses cadeados todos e dar adeus à essa inútil prisão em que se trancou? Vamos lá, tenha coragem. A vida quer sorrir pra ti. Sorria pra ela.

The following two tabs change content below.
Hugo Ribas é pisciano, escritor, leitor e também uma metamorfose ambulante. Criador deste blog e colunista do blog Que Me Transborde, adora se perder em sentimentos escritos e nem sempre consegue se encontrar em suas próprias palavras. Personagens, narrador e pensamentos se fundem num texto só. Nasceu em Jundiaí - SP e mudou-se para São Paulo - SP aos 16 anos, onde se formou em Design Gráfico e cursou teatro pelo Teatro Escola Macunaima. Apresentou peças de Gianfrancesco Guarnieri e Friedrich Dürrenmatt.

Latest posts by Hugo Ribas (see all)

Comments

comments

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *