Textos do Hugo

Sobre a necessidade de ser amado

Tenho percebido que ultimamente andamos muito suscetíveis ao julgamento alheio, preocupados demais com a imagem que o mundo tem a nosso respeito.  Alguns anseiam a beleza estética, buscam lugar de destaque na carreira profissional, outros gastam a vida inteira numa luta desenfreada por posse e status, enfim, exemplos são muitos. No fundo, almejamos a aprovação, desejamos que o outro nos veja com bons olhos, com admiração e com respeito. E eu fico aqui tentando encontrar explicações plausíveis para tal comportamento que contaminou a todos nós… Penso, somente penso, e pode ser que eu esteja completamente enganado, pois não sou dono de verdade alguma… Mas penso que isso se deve à necessidade de amor. No fundo, bem lá no fundo, tudo o que a gente quer é se sentir amado, e essa necessidade se manifesta de variadas formas e atos. Como eu exemplifiquei, existem aqueles que buscam suprir essa carência através do status, da beleza, da riqueza… Existem muitos outros que vão se desgastar inutilmente em relacionamentos falidos, amizades interesseiras, ciúmes em excesso… Eu mesmo, já me peguei diversas vezes tentando suprir essa tal ausência de amor através de atos e emoções das quais não me orgulho… Afinal de contas, sou humano, cheio de defeitos e carências. Dia desses eu escrevi sobre aceitar a si mesmo, amar a si mesmo, e creio que o remédio para este mal esteja justamente no amor-próprio.

Enfim, estamos carentes de afeto e nos iludimos demais quando achamos que o outro é capaz de suprir essa nossa carência… Mesmo porque a pessoa que está ao nosso lado, seja ela um parente, um amigo ou um companheiro, também sofre da mesma carência. A coisa funciona mais ou menos assim: Não podemos doar o que não temos. E também não podemos exigir que o outro doe o que ele não tem…

Penso cá com meus botões que se eu desejo ser amado, primeiro eu tenho que começar a me amar. Fazer crescer em mim o sentimento de amor por mim, amor pela vida, amor pelo mundo… Preciso fazer com que as mais diversas maneiras de amar cresçam, floresçam e transbordem em mim. Não posso me comportar como um pedinte de amor, um esfomeado desesperado por uma simples migalha. Amar é natural, espontâneo, um estado de graça. O que eu desejo é que o amor transborde no coração de todos nós, de modo que não haja mais carência e sim excesso de amor. Por um mundo onde haja sobra de amor. Comece plantando amor dentro de você mesmo, tratando-se com carinho, atenção, suprindo suas próprias carências, para que seu amor se estenda e se junte a outros amores…

The following two tabs change content below.
Hugo Ribas é pisciano, escritor, leitor e também uma metamorfose ambulante. Criador deste blog e colunista do blog Que Me Transborde, adora se perder em sentimentos escritos e nem sempre consegue se encontrar em suas próprias palavras. Personagens, narrador e pensamentos se fundem num texto só. Nasceu em Jundiaí - SP e mudou-se para São Paulo - SP aos 16 anos, onde se formou em Design Gráfico e cursou teatro pelo Teatro Escola Macunaima. Apresentou peças de Gianfrancesco Guarnieri e Friedrich Dürrenmatt.

Latest posts by Hugo Ribas (see all)

Comments

comments

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *