Eu cheguei a pensar

Eu cheguei a pensar

Houve um tempo em que eu cheguei a pensar que a minha vida era um caso sem solução… Eu estava completamente esgotado e sem esperanças. Enclausurado num relacionamento falido, achei que meu destino seria viver ao lado de uma pessoa que não me valorizava.

Acho tão engraçado quando esse tipo de situação acontece! Quem nunca passou por algo parecido?!

E então, sem querer, você acaba percebendo que construiu uma vida inteira ao lado de alguém que só fez te maltratar e desprezar… Mas isso não acontece assim tão rápido. Os seus olhos vão enxergando a realidade lentamente. Você fica ali insistindo feito uma mula velha e empacada, sonhando com mudanças que jamais ocorrerão, morrendo de medo de sofrer mais ainda se “perder” aquela criatura cuja presença só piora a sua vida! Só que você está cego demais para admitir isso. Cego de amor-próprio, cego de carência, cego de paixão… Cego de tudo!

Até que por uma obra milagrosa do destino, você encontra forças sabe-se lá onde e resolve dar um jeito naquilo tudo. Toma finalmente uma atitude e expulsa de vez aquele encosto de encruzilhada que só atrasava a sua vida. Isso é uma libertação. Você volta a segurar as rédeas do seu destino, imediatamente!

Enfim… A vida precisa de pessoas corajosas. Ela jamais será capaz de te ofertar coisas boas se você não for ousado o suficiente para lutar por elas.




É claro que optar pelo fim de um relacionamento não é uma decisão assim tão fácil. Muitas vezes o nosso destino está tão entrelaçado no destino do outro, que precisamos de muita força para enfrentar as dores que a ruptura pode provocar. São muitos medos e desejos fervilhando ao mesmo tempo.

Nessa hora tão decisiva, é preciso ignorar o medo.

Antes eu só escutava o medo, a insegurança e o trauma. Era incapaz de arriscar… Vivia apegado às migalhas de amor que qualquer um me atirasse, sem nem ao menos parar para refletir a respeito do valor imenso que possuo. Eu já disse isso uma vez e repito: Eu não sou qualquer um, eu sou foda!

Eu, definitivamente, cheguei a pensar que o amor não era pra mim. Achei que nessa partida qualquer esforço seria vão, pois eu perderia sempre… Tive a ousadia de afirmar que eu não era digno de ter alguém especial. Bobagens de quem ainda não aprendeu o significado de amor próprio.

Mas tudo isso é passado. Um passado longínquo e quase apagado pela força do meu presente… Pois o hoje, meu caro, é o meu melhor dia… O meu hoje é o resultado das voltas que o mundo dá… O meu hoje é a prova viva de que a partir do momento que eu sorri para a vida, ela sorriu para mim.  O meu hoje é uma felicidade absolutamente minha, só minha, e permita-me o egoísmo de não compartilhar contigo as razões para tal.


Deixe sua opinião, conte sua história ou seu desabafo nos comentários abaixo, vou respondê-los com todo carinho, afinal de contas todos nós temos as nossas dores e doçuras emocionais <3

Leia também esse texto, você vai AMAR com certeza: O que você espera de si mesmo?!

Eu também sou colunista de outros blogs, dá um pulinho lá para conferir: Que Me Transborde / Superela /  Recalculando a Rota.

Hugo Ribas

Hugo Ribas é pisciano, escritor, leitor e também uma metamorfose ambulante. Criador deste blog e colunista do blog Que Me Transborde, adora se perder em sentimentos escritos e nem sempre consegue se encontrar em suas próprias palavras. Personagens, narrador e pensamentos se fundem num texto só. Nasceu em Jundiaí - SP e mudou-se para São Paulo - SP aos 16 anos, onde se formou em Design Gráfico e cursou teatro pelo Teatro Escola Macunaima. Apresentou peças de Gianfrancesco Guarnieri e Friedrich Dürrenmatt.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *