Perdeu a graça

Perdeu a graça

Não sou de meias palavras, então vou direto ao ponto: Eu enjoei. Tentei te dar todas as chances, mas acho que a gente não se encaixa… É uma questão de “feeling”. Para alguns eu posso parecer precipitado, mas é que eu não tenho paciência para viver essas histórias mornas, onde tudo é igual, não existe surpresa, não existe empolgação…

De alguma forma a nossa chama foi se apagando. Não sei dizer quando isso começou. Talvez a gente não tenha prestado atenção… Pode ser que a gente não tenha se empenhado o suficiente. A verdade é que esse “lance de amor” exige esforço de ambas as partes. Exige dedicação, vontade de estar junto, disponibilidade para compreender os defeitos e necessidades do outro. Acho que isso não aconteceu com a gente.

Você sabe, meu maior defeito é o pavio curto. Então não sofra, pois a culpa não é sua.

Sabemos que antes de mais nada: Eu mesmo sou o meu maior problema…

Se alguma coisa está fora do lugar, eu já perco logo a graça, não tenho paciência pra ficar dando murro em ponta de faca… Não tenho medo de ficar sozinho! Quantas pessoas por aí se afundam em relacionamentos mornos apenas pelo pânico de ficar sem alguém! Deus me livre, isso é carência pura! Eu não! Pra permanecer comigo tem que me inspirar, tem que me tirar o sono, tem que me surpreender.




E isso não tem acontecido com a gente. Há muito tempo que eu não ouço você dizer que tem saudades. Faz tanto tempo que a gente não se olha com desejo, com riso, com intensidade… Sorrimos um para o outro da mesma forma que sorrimos para qualquer pessoa.

Perdemos o nosso mundo particular.

Eu sei que quando tudo começou a gente se dava muito bem, mas acho que era uma daquelas paixonites que acabam rápido. Pra te ser bem sincero, não tenho consciência pesada porque sei que no fundo você não me ama. Vamos ser sinceros?! Não há porquê mentir, nem fingir que ainda existe amor entre nós… Você deve estar apaixonado por uma ideia, por uma falsa imagem que criou a meu respeito. Você está apaixonado pela ideia de amar, é só isso.

Olhe bem, veja, a gente não tem nada a ver um com o outro, isso jamais daria certo.

Enfim… Quero que você não derrame uma lágrima sequer por minha causa, eu não mereço. Você também não merece chorar por um amor que nunca passou de um sonho rápido… Simplesmente perdemos a graça. Guardo comigo os nossos bons momentos, mas é isso, estamos livres para viver uma paixão verdadeira, dessas que tiram o fôlego, que se transformam em amor e perduram tempo suficiente para marcar, para valer a pena e para ser verdadeiro.

Fica bem.


Deixe sua opinião, conte sua história ou seu desabafo nos comentários abaixo, vou respondê-los com todo carinho <3

Leia também esse texto, você vai AMAR com certeza: Você é meu romance favorito

Eu também sou colunista de outros blogs, dá um pulinho lá para conferir: Que Me Transborde / Superela /  Recalculando a Rota.

Hugo Ribas

Hugo Ribas é pisciano, escritor, leitor e também uma metamorfose ambulante. Criador deste blog e colunista do blog Que Me Transborde, adora se perder em sentimentos escritos e nem sempre consegue se encontrar em suas próprias palavras. Personagens, narrador e pensamentos se fundem num texto só. Nasceu em Jundiaí - SP e mudou-se para São Paulo - SP aos 16 anos, onde se formou em Design Gráfico e cursou teatro pelo Teatro Escola Macunaima. Apresentou peças de Gianfrancesco Guarnieri e Friedrich Dürrenmatt.

Um comentário em “Perdeu a graça

  • 25 de maio de 2016 em 14:27
    Permalink

    Oi!

    Achei seu blog por um grupo do Google, vim passeando por aqui, fui até o post onde você mostra as frases tiradas de textos seus, que se encaixavam em cada signo e pelo signo de Touro eu vim até esse texto.
    Sabe, eu gosto de texto que expressa, que não são apenas palavras mas que dizem algumas coisa e passam uma mensagem. Esse texto é assim!
    Parece ser um fim de relacionamento onde uma das partes ao invés de dizer “Tchau” e ficar se lamentando apenas diz: Calma, vai passar, não sofra.

    E realmente isso acontece às vezes, nem sempre a gente pode sair por aí culpando o outro sendo que o culpado somos nós. É sempre bom carregar o peso dos nossos erros em nossos ombros e deixar que o outro carregue no dele, o peso dos próprios erros.

    Amei conhecer aqui. Você escreve super bem!

    http://www.sonhosnabolsa.com

    Resposta

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *