Textos do Hugo

Eu quis chorar, mas deu preguiça…

Eu juro que até tive vontade de chorar, trancar-me num quarto escuro, ouvir música no último volume e curtir uma fossa daquelas, mas logo depois me deu uma preguiça danada de gastar tempo com isso… A verdade é que pessoas decidem ir embora assim do nada, sem dar nenhuma explicação e sem se importar com o sentimento de quem ficou para trás. A verdade é que pessoas tem o péssimo hábito de fazer promessas que elas jamais terão competência para cumpri-las.

Descobri que tenho lágrimas de ouro, não posso desperdiçá-las assim a troco de gente que vale menos que merda. Ora, pense comigo, não faz sentido sofrer pela “perda” de alguém que não se tem… Afinal de contas, pessoas não são objetos. Elas tem o direito de ir e vir, de fazer escolhas e de simplesmente decidir partir. Não há nada que eu possa fazer pra mudar isso! Então se quiser ir, que vá… E já vai tarde. Tenho mais o que fazer.

E olha, vou te dizer outra coisa, eu não me sinto humilhado quando sou deixado, trocado ou quando acredito em palavras vazias… Pois tudo é uma questão de ângulo! Pra mim, vergonha é prometer e não cumprir. Pra mim, vergonha é carregar nas costas o peso de ser um alguém desleal. Isso sim é vergonha, isso sim é ser digno de dó.

Eu sinto dó. Eu sinto muita dó de pessoas desleais. Sinto dó de quem machuca os outros…

E é por isso que essas linhas de hoje são dedicadas à todas as pessoas que um dia choraram por alguém que não vale o prato que come! Essas linhas são para dizer a vocês que poupem lágrimas, que poupem dores, que abram um sorriso e não percam mais tempo, pois existe pela frente uma vida absolutamente perfeita esperando por vocês. A vida sorri para quem tem a ousadia de sorrir para ela… O grande lance da felicidade é saber enxergar o motivo de um sorriso mesmo quando o mundo inteiro quer te obrigar a chorar! Pois eu digo: Não se deixe vencer. Sorria. Sorria cada vez mais e não permita que ninguém te faça chorar. Não permita.

Aos que são desleais, o meu mais sincero “Vá à merda.”

The following two tabs change content below.
Hugo Ribas é pisciano, escritor, leitor e também uma metamorfose ambulante. Criador deste blog e colunista do blog Que Me Transborde, adora se perder em sentimentos escritos e nem sempre consegue se encontrar em suas próprias palavras. Personagens, narrador e pensamentos se fundem num texto só. Nasceu em Jundiaí - SP e mudou-se para São Paulo - SP aos 16 anos, onde se formou em Design Gráfico e cursou teatro pelo Teatro Escola Macunaima. Apresentou peças de Gianfrancesco Guarnieri e Friedrich Dürrenmatt.

Latest posts by Hugo Ribas (see all)

Comments

comments

2 thoughts on “Eu quis chorar, mas deu preguiça…”

  1. Acabei de chgar ao teu blog e dei de caras com este texto e foi tão sincero.
    Na berdade, existem pessoas que não merecem as nossas lágrimas,enquanto nós sofremos eles estão numa boa.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *