Revele-se para mim

Revele-se para mim: Faz tempo que não te vejo

Sugestão de música: Rise up /Andra Day

“Revele-se para mim” são textos escritos por Lucca, um personagem/narrador que escreve e reflete sobre histórias, pensamentos e desabafos que ouviu pelas ruas…  Se você quiser que a sua história seja contada por Lucca, clique aqui.

Juro… Eu juro que não vou esquecer esse nosso último olhar. Palavras não são o bastante para explicar o que está rolando entre nós neste exato momento. Sentir ultrapassa as barreiras da compreensão, impossível descrever. Isso aqui é só nosso. Não vejo nada além dos teus olhos. Não existe rua nem praça, flor nem jardim, céu nem mar. Existe só o seu olho no meu, e isso já é o suficiente para eu me sentir inteiro. Absolutamente inteiro. Encontro em você uma continuação de mim mesmo e juntos somos um, apenas um.

E nesse rápido instante em que nos vemos pela primeira vez, ganho a certeza louca e apaixonada de que nada mais será como antes. Você já fazia parte de mim antes mesmo de existir. Sei que não posso ouvir a sua voz, nem sentir o calor da sua pele… Não tenho como saber seu nome, nem de onde vem. Mas algo no mundo mudou… Uma cor diferente, um riso doce, um beijo de mar… Não sei explicar, mas a partir de agora sou seu.

Mais uma fração de segundo e os nossos olhares vão se desencontrar. Falta pouco, muito pouco para a despedida fatal que nos afastará. E num piscar de olhos posso vislumbrar o arrastar dos anos que virão. Encontraremos outros amores. Perdas cruzarão os nossos caminhos. Separações irreparáveis. Você viajará pelo mundo, eu trocarei de cidade. Posso me ver chorando por ilusões perdidas. Posso te ver procurando por mim na rua, nos bares, nas redes sociais. Posso te ver procurando por mim até mesmo nas letras das músicas que cantam por aí.

Seus olhos desviaram. Os meus também. Coração acelerado, impossível esquecer essa lembrança única.

O tempo vai passar, é inevitável.

Estão vindo ao meu encontro os ventos da mudança. Furacões de acontecimentos. Tormentas de sentimentos. E nessas tempestades de destinos que se desencontram, tenho a sensação de que estou a um passo de te esquecer. Deixo-me levar pelo arrastar do tempo, sem lutas nem choro, simplesmente deixo. Vivo com a lembrança em mim.

Seus olhos me mantém vivo. Nada faria sentido se não fosse você. Nada…

E de repente… Depois deste tão furtivo e tão demorado piscar de olhos, eu te encontro de novo. Você está aqui, bem perto, tão perto. Você está aqui a um centímetro do meu toque. Faz tempo que não te vejo. E agora não há mais desvios de olhares, nem despedidas inevitáveis. O nosso tempo chegou… E veio pra ficar.

The following two tabs change content below.
Hugo Ribas é pisciano, escritor, leitor e também uma metamorfose ambulante. Criador deste blog e colunista do blog Que Me Transborde, adora se perder em sentimentos escritos e nem sempre consegue se encontrar em suas próprias palavras. Personagens, narrador e pensamentos se fundem num texto só. Nasceu em Jundiaí - SP e mudou-se para São Paulo - SP aos 16 anos, onde se formou em Design Gráfico e cursou teatro pelo Teatro Escola Macunaima. Apresentou peças de Gianfrancesco Guarnieri e Friedrich Dürrenmatt.

Latest posts by Hugo Ribas (see all)

Comments

comments

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *