Textos do Hugo

Quando a pessoa errada cruza o meu caminho




Não tem nada pior do que se envolver com aquela pessoa totalmente “errada” … E a gente sente até cheirinho de decepção no ar, mas quem disse que consegue se livrar?! É… Às vezes o cupido erra feio a pontaria. Tudo isso acontece, creio eu, por causa da chamada “carência”. Aquela vontade imensa de experimentar esse tal de amor. Sorrir que nem bobo só de pensar naquele alguém, ouvir uma música e deixar o coração disparar. Quem nunca teve essa vontade que atire a primeira pedra!!!

O problema disso tudo é quando essa vontade cresce ao ponto de você se apaixonar por uma migalha. Está aí a grande armadilha da carência. De repente uma pessoa qualquer cruza o seu caminho e você a coloca num pedestal altíssimo, como se ela fosse a mais especial das criaturas, quando na verdade… Primeiro vem a fase do encanto, você não enxerga a realidade, está fascinado pela ideia de ter achado a pessoa certa. Depois começam a aparecer os primeiros sinais de que tem algo de estranho nessa história… As palavras se desencontram, os desejos não são atendidos e você percebe que está mais sozinho do que antes. Essa pessoa que antes era linda e maravilhosa agora não te ouve, não se importa com você e te machuca sem dó. Ela some e aparece sem dar nenhuma explicação e não tem paciência para o seu amor. Vocês não tem nada em comum, não curtem os mesmos programas e não sonham juntos… Às vezes ela diz que tem saudade, mas não faz esforço para ficar perto. De repente você se dá conta de que não existe nada entre vocês a não ser a sua vontade imensa de amar… Mas é só isso. Não há reciprocidade, não é namoro, não é paixão, não é amor… Não é nada. Aliás, é sim, é ilusão. A realidade cai como uma bomba: Você está vivendo uma mentira. Você está apaixonado por alguém totalmente “errado”, a verdade é que ele não está nem aí pra você, não está afim de se apegar nem de se envolver. Está simplesmente curtindo, vivendo e se aventurando. É apenas um acidente de percurso, uma trombada no meio do caminho, nada demais…

Então você decide terminar essa história de uma vez por todas, colocar um ponto final, mas tudo o que você consegue é colocar vírgulas e mais vírgulas… Pois no fundo você renega essa realidade que acabou de se revelar. A recuperação desse acidente pode ser demorada e vai exigir muito esforço da sua parte. Talvez você não consiga se desfazer dessa relação assim de uma hora para a outra… Tem que se respeitar, tem que ter calma, tem que refletir muito. Não se violente, ok?! A culpa, a raiva e a mágoa não vão te levar a nada, aliás, elas só vão piorar ainda mais a situação. Vai com calma e aceite essa dor. Enxergue o seu real valor, este é o primeiro passo para a superação. Você não merece uma relação pela metade. Amar sozinho é o mais desesperador dos abismos, não se jogue e nem tente se aventurar, você vai se machucar. Só entregue o seu coração para quem for merecedor do privilégio de estar ao seu lado, beleza?!

E para não cair nessa armadilha de novo?! A receita é: Altas doses de amor próprio.

Você já viveu ou está vivendo uma relação assim? Como foi que conseguiu superar?! Comente e vamos trocar ideias *-*

 

The following two tabs change content below.
Hugo Ribas é pisciano, escritor, leitor e também uma metamorfose ambulante. Criador deste blog e colunista do blog Que Me Transborde, adora se perder em sentimentos escritos e nem sempre consegue se encontrar em suas próprias palavras. Personagens, narrador e pensamentos se fundem num texto só. Nasceu em Jundiaí - SP e mudou-se para São Paulo - SP aos 16 anos, onde se formou em Design Gráfico e cursou teatro pelo Teatro Escola Macunaima. Apresentou peças de Gianfrancesco Guarnieri e Friedrich Dürrenmatt.

Latest posts by Hugo Ribas (see all)

Comments

comments

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *