Textos do Hugo

Respeite o meu tempo

Respeite o meu tempo, pois tenho muitos medos, admito. Já me machuquei demais com os desencontros da vida…

Acabei me fechando, não tenho vergonha de assumir isso. Mas entendi que todo mundo também tem seus pequenos medos, reservas e proteções. Já saquei que, por um amor de verdade, serei capaz de superar tudo isso. Só que eu preciso de tempo…

Peguei um certo receio de arriscar. Eu preciso me preservar. E aprender a te amar aos pouquinhos… Saborear uma descoberta de cada vez. Descobrir seus sonhos. Conquistar sua confiança.





Não sou do tipo que se entrega logo de cara! Eu gosto de um amor à moda antiga, sabe?!

Isso não quer dizer que eu não te ame… Ao contrário. Eu te amo até demais… E é por isso que preciso de tempo para me acostumar com esse amor, confiar e me entregar. Será que o seu amor é grande o bastante para compreender e aceitar isso?! Ou será que é pura ilusão… Ilusão mata a gente por dentro. Tô fora disso. Eu não estou aqui para me submeter a relações tóxicas… Nocivas… Eu quero ter a liberdade de ser quem eu sou. Quero superar os meus medos no tempo certo e do meu jeito. Se você quiser me dar a mão, eu vou ficar feliz… Tão feliz…

Ouvi dizer que quem ama respeita e compreende. Sei que quem ama, não faz lista de exigências, nem obriga o outro a mudar ou fazer suas vontades. Você está pronto para ser recíproco?! Será que você está pronto para amar de verdade?! Então respeite o meu tempo, meu corpo, meus medos… Respeite, principalmente, o amor que tenho por você. Não o transforme num sentimento banal. Ou então quem vai sair perdendo é você.

A história que inspirou este texto foi enviada por uma leitora que não quis se identificar. Se você quiser me me contar sua história, fazer perguntas sobre a vida, o amor ou sobre os nossos sentimentos tão contraditórios, fique à vontade para deixá-la aqui nos comentários… Se não quiser que a sua identidade seja revelada, é só clicar em CONTATO, preencher o formulário, ou então entrar na minha página do Facebook 😉


Hugo Ribas é pisciano, escritor, leitor e também uma metamorfose ambulante. Criador deste blog e colunista do blog Que Me Transborde, adora se perder em sentimentos escritos e nem sempre consegue se encontrar em suas próprias palavras. Personagens, narrador e pensamentos se fundem num texto só. Nasceu em Jundiaí – SP e mudou-se para São Paulo – SP aos 16 anos, onde se formou em Design Gráfico e cursou teatro pelo Teatro Escola Macunaima. Apresentou peças de Gianfrancesco Guarnieri e Friedrich Dürrenmatt.


Se você quiser fazer perguntas sobre a vida, o amor, sobre os nossos sentimentos tão contraditórios ou se quiser que sua história se transforme em textos aqui do blog, fique à vontade para deixá-la aqui nos comentários… Se não quiser que a sua identidade seja revelada, é só clicar em CONTATO, preencher o formulário, ou então deixar uma mensagem na nossa página do Facebook 😉

The following two tabs change content below.
Hugo Ribas é pisciano, escritor, leitor e também uma metamorfose ambulante. Criador deste blog e colunista do blog Que Me Transborde, adora se perder em sentimentos escritos e nem sempre consegue se encontrar em suas próprias palavras. Personagens, narrador e pensamentos se fundem num texto só. Nasceu em Jundiaí - SP e mudou-se para São Paulo - SP aos 16 anos, onde se formou em Design Gráfico e cursou teatro pelo Teatro Escola Macunaima. Apresentou peças de Gianfrancesco Guarnieri e Friedrich Dürrenmatt.

Latest posts by Hugo Ribas (see all)

Comments

comments

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *