Textos dos colaboradores

Carta a todos os amores que partiram!




Ei meu amor, não fique assim!

Despedidas não precisam ser tão ruins. Não deixe que as lágrimas ofusquem o brilho dos momentos que vivemos juntos.

Aliás, viver é isso!

Chegará o dia em que tudo fará sentido, até mesmo essa partida.

Carrego comigo cada palavra dita, cada carícia trocada, cada olhar de cumplicidade.

Não há mais nada que possamos fazer agora, só aceitar que demos tudo o que podíamos dar de nós mesmos um para o outro.

Não é culpa sua ou minha que a vida nos leve sempre à mesma encruzilhada. Não é culpa minha que a soma de tudo o que fui e sou me leve por caminhos distantes.

Seguirei sempre atento a tudo o que passamos. Mais do que belas histórias, tenho cravado no peito a marca de um amor que nem mesmo o tempo e a distância serão capazes de apagar.

Ei meu bem, deixe-me enxugar essas lágrimas. Aconchega-se ao meu peito mais uma vez antes que de tudo isso reste apenas memórias. Jamais voltaremos a ser o que um dia fomos, pois sim, o amor transforma e mesmo que um dia deixe de ter o mesmo brilho sempre será amor.

De todos os romances que tive, ou que pensei ter, você sempre estará acima de todos. Não que os outros não tenham seu espaço, pois todo amor é único, mas você é o que faz com que esse momento seja único, seja maior até mesmo que o amor que sinto por mim.

Antes de embarcarmos nessa aventura sabíamos dos riscos que corríamos.

Separados já passamos pelos mais tempestuosos mares. Juntos, dada a força da nossa união, sabíamos que o fim seria um buraco negro em nossos peitos, disposto a sugar tudo, até mesmo as mais belas lembranças desse amor quase juvenil.

Não permita isso!

Antes de ser sugada pela dúvida, feche os olhos, concentre-se em todas as juras de amor que trocamos, elas foram a coisa mais verdadeira que já fiz, mesmo que não as cumpra. O teu amor me fez ver além do tempo, além do que supunha um dia acreditar… o verdadeiro amor é transcendental.

Ei amor, agora estamos aqui, um diante do outro como jamais pensaríamos estar. Despidos de nossas palavras de carinho não temos como expressar esse vazio que insiste em habitar entre nós. Não precisa ser assim…

Levanto as velas, corrijo o rumo e parto rumo ao desconhecido mais uma vez. Porém, sigo com a certeza de que na memória sempre terei um porto seguro.

Por esse tempo que tivemos juntos, ao menos nele, eu sempre serei teu, distância nenhuma pode mudar isso.


Matheus Miranda é um vagalume que se propôs a ser ele mesmo, mesmo sabendo que a busca por si mesmo é sempre algo constante e mutável. Apaixonado pela escrita é membro idealizador do blog SER E SÓ. Leonino com a lua em virgem, estudou  Logística além de viajar apaixonadamente pelo comércio exterior, e por projetos com processos criativos e de co-criação. Entende que entre livros, vinhos e pessoas está o supra sumo do universo e o que vem em seguida disso é de regalo extra da maravilhosa vida.


 

The following two tabs change content below.
Hugo Ribas é pisciano, escritor, leitor e também uma metamorfose ambulante. Criador deste blog e colunista do blog Que Me Transborde, adora se perder em sentimentos escritos e nem sempre consegue se encontrar em suas próprias palavras. Personagens, narrador e pensamentos se fundem num texto só. Nasceu em Jundiaí - SP e mudou-se para São Paulo - SP aos 16 anos, onde se formou em Design Gráfico e cursou teatro pelo Teatro Escola Macunaima. Apresentou peças de Gianfrancesco Guarnieri e Friedrich Dürrenmatt.

Latest posts by Hugo Ribas (see all)

Comments

comments

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *