Textos do Hugo

Você não desistiu. Na verdade, você nunca tentou

Você não desistiu. Na verdade, você nunca tentou.

Nunca fui o tipo de pessoa que pega no pé! Nunca gostei de cobrar nada, você sabe. No entanto, certas verdades ficaram entaladas aqui na garganta. Você me diz que desistiu… Ok, está tudo bem, não vou insistir, nem correr atrás, mas me diga uma coisa: Quando foi que você tentou?!

Quando eu te pedia pra ficar, você partia.

Quando eu chorava, você ria.

Quando eu te amava, você se divertia.

E quando eu tinha saudade… Você sumia.

Não era via de mão dupla. Era mão única. Eu… Sozinho…

Também não sou tolo. Conheço um pouco da vida, já encarei dores muito maiores que essa, já esbarrei em pessoas muito piores que você. Sei que, no fundo, todas as suas palavras não passam de um jogo barato. É o jogo da culpa. Vamos admitir uma coisa: Você não quer bancar a responsabilidade das suas decisões.

É muito conveniente para você dizer que desistiu por minha culpa.

Eu diria que isso é bastante cruel, aliás.

Covardias de quem não sabe amar…

Quando olho para trás, vejo um rastro de sacrifícios, renúncias, carinhos, dedicação e companheirismo. O meu amor por você estava ali gravado em cada ato, em cada gesto, em cada beijo. Tenho comigo algo que não se compra: Consciência limpa. Olho para trás e sinto uma paz enorme, pois sei que ultrapassei todos os meus limites por você… Então não posso assumir culpas que não são minhas. Não estou disposto a aliviar a sua consciência… Você terá que lidar com seus erros e eu não vou te ajudar.




E acredite, para mim não é nada fácil dizer tudo isso. Aqui dentro, o meu coração está muito apertado. Ele está se preparando para a saudade que está para chegar… Não tenho receio de admitir: Tenho medo da saudade. Ela é perigosa e me rouba o bom senso. Vou sentir a sua falta, não nego, mas sei que vai passar.

Dores como essa sempre passam. Demora, mas passam…

Aliás, foram essas dores de saudade, abandono e rejeição que me fizeram crescer e amadurecer. Aprendi que a minha paz é muito mais importante que esses amores passageiros. Passei a valorizar mais os meus sentimentos, a minha tranquilidade… Agora faço questão de ser feliz.

Faço questão de ficar com alguém que me faça feliz.

Não me contento com menos que isso.

Então fique à vontade para pular fora, mas banque a sua decisão. Assuma sua responsabilidade. As portas de saída da minha vida estão abertas… Para te ser bem sincero, estão escancaradas. Você já pode ir embora. Já passou da hora. Não olhe para trás, eu não estarei aqui caso a sua carência volte a sentir a minha falta.

Eu já disse isso para você e repito: Não estou à disposição da carência de ninguém.

Você não está desistindo de nada… No fundo, você nunca quis nada. Você não tentou, não se esforçou, não foi recíproco, não amou… Você não amou… Só brincou e agora cansou. Não é?!

Assuma! E suma!


Leia também esse texto, você vai curtir: Reciprocidade… Você nunca soube o que é isso.

Eu também sou colunista de outros blogs, dá um pulinho lá para conferir: Que Me Transborde e Recalculando a Rota.

The following two tabs change content below.
Hugo Ribas é pisciano, escritor, leitor e também uma metamorfose ambulante. Criador deste blog e colunista do blog Que Me Transborde, adora se perder em sentimentos escritos e nem sempre consegue se encontrar em suas próprias palavras. Personagens, narrador e pensamentos se fundem num texto só. Nasceu em Jundiaí - SP e mudou-se para São Paulo - SP aos 16 anos, onde se formou em Design Gráfico e cursou teatro pelo Teatro Escola Macunaima. Apresentou peças de Gianfrancesco Guarnieri e Friedrich Dürrenmatt.

Latest posts by Hugo Ribas (see all)

Comments

comments

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *