Textos dos colaboradores

Você prometeu e não cumpriu

Muitas vezes eu penso em te escrever algo, mandar uma mensagem, dar um abraço… Mas sempre me lembro que a distância entre a gente foi causada por você… E que por isso eu não tenho que te dar abraço nenhum!!
Apesar de você ter acabado com meu coração, eu não posso recusar a lembrança dos dias felizes que vivemos juntos.
Né?

Você lembra do dia em que fomos ao parque? Que comemos frutas frescas, fizemos uma guerra de água com nossas garrafas de água fresca e no final selamos tudo com um beijo molhado… Lembro-me que naquele dia você disse que me amava e que nunca iria me magoar.

E naquele outro dia em que fomos ao cinema e eu fiquei com tanto medo do filme que você teve que segurar minha mão forte para eu não sair correndo. Aquele dia você disse que sempre me protegeria do mal.

Ou no dia do meu aniversário que você dançou “The Night We Met ” comigo, eu pisei tanto no seu pé que os seus dedos ficaram roxos depois, mas você nem ligou, afinal: a dança compensava a dor. E naquela noite eu lembro que te apresentei aos meus familiares que me disseram, horas mais tarde, que você não prestava. Você me disse naquela noite que nunca se esqueceria daquelas horas, daquela data.




E aquele abraço que eu recebi quando gabaritei na prova mais difícil do ano, aquela comemoração que fizemos quando tomamos milk-shake juntos e brincamos com o sorvete no copo? Aquela nota continua na minha prova, mas aquele dia está na minha lembrança, inclusive o que você disse na mesma tarde. Como era mesmo? ” Sempre comemoraremos nossas vitórias assim, juntos.”

Agora a última e a melhor memória que tenho de nós: você ajoelhado no chão com um anel na mão. Tinha cantado minha música favorita inteira, de cabo a rabo, de verso a letra, de melodia a pensamento; e naquela hora estava ajoelhado no chão do pátio da escola com todo mundo nos olhando e você disse:

“Minha vida com você ficou mais divertida, me dê a honra de viver mais momentos superlativos do seu lado… Quer namorar comigo querida?”

Ah! Foram tantas promessas lindas que você me fez, pena que você era um mentiroso descarado. Pena que, na verdade, quem me machucou foi você, que o mal foi você, que quem esqueceu a data da nossa dança foi você, que nunca mais comemoramos nossas vitórias juntos – até porque nunca mais tiveram “nossas” vitórias- e é uma pena exorbitante saber que aquele pedido de namoro foi igual a tantos outros que você fez.

Mas eu sei que você, querido, não gosta de ver sua imagem manchada com a dor que você me fez passar, então desconsidere o último parágrafo e apenas vamos nos lembrar do que é bom. Porque essa é a única coisa que ainda quero guardar de você, poucas lembranças de algo que um dia vai virar pó e será levado pelo vento.


Tiffany Guimaraes paulistana, dona do blog Mundo Aleatório; Ama a leitura e a escrita desde que aprendeu a ler. Apaixonada por animais e poemas, sonha em cursar Jornalismo.


 

The following two tabs change content below.
Hugo Ribas é pisciano, escritor, leitor e também uma metamorfose ambulante. Criador deste blog e colunista do blog Que Me Transborde, adora se perder em sentimentos escritos e nem sempre consegue se encontrar em suas próprias palavras. Personagens, narrador e pensamentos se fundem num texto só. Nasceu em Jundiaí - SP e mudou-se para São Paulo - SP aos 16 anos, onde se formou em Design Gráfico e cursou teatro pelo Teatro Escola Macunaima. Apresentou peças de Gianfrancesco Guarnieri e Friedrich Dürrenmatt.

Latest posts by Hugo Ribas (see all)

Comments

comments

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *