Textos do Hugo

Será que a gente ia dar certo?!

Será?!

Talvez não seja hora de pensar nessas possibilidades. Dizem que o tempo não anda para trás, não é?! Mas tem dias que você aparece aqui na minha lembrança, sem pedir licença… Sem que eu procure por você! Acho até engraçado quando essas recordações entronas resolvem surgir, mas confesso que meu coração fica um pouco apertado. Não sei dizer se isso é saudade… Ou se é um certo “lamentar” por toda a história que não aconteceu entre nós.

Acabou antes da hora?! Não sei responder essa pergunta.

Não acho que tenha sido “antes da hora” ou na “hora errada” ou seja lá o que for… Para falar a verdade, tudo aconteceu como deveria acontecer. Tivemos nosso início, meio e fim, ainda que esse “fim” tenha ocorrido de forma tão abrupta. Perdemos o fôlego, não foi?! De repente o nosso livro chegou ao fim antes de atingir o clímax… Restou apenas essa impressão de roteiros inacabados, enredos que não fazem sentido algum, tramas desconexas.

Saudades de algo que nem chegou a acontecer… Saudades dos sonhos, projetos e planos que nem chegamos a fazer… Saudades de achar que a nossa história seria para sempre.

Bobagem, nada é para sempre. Nem as histórias de amor.




É… Esses términos repentinos deixam para trás um rastro de impotência. Esse é o verdadeiro vácuo… Um vazio impossível se ser preenchido, qualquer tentativa será inútil. Não há nada a ser feito, a não ser aceitar e seguir em frente.

Ok! Mas deixe-me te fazer uma pergunta:

Mesmo sabendo de todas essas impossibilidades, você não tem vontade de tentar mais uma vez?! Você sente esse mesmo aperto no coração que eu sinto quando lembro de nós dois juntos?! Por várias vezes os nossos olhares se cruzaram por aí e você sorriu… Um sorriso triste, eu percebi. Um sorriso igual ao meu, inconformado com a distância que se abriu entre nós.

Por que erguemos esse muro enorme entre nós? Por que demos as costas um para o outro?

Eu fico me perguntando: Por que eu fui embora? Por que eu deixei você partir assim… Sem lutar.

Questionamentos que sempre vão rondar a nossa vida. Ilusões que sempre vão invadir os nossos sonhos… Sentimentos que vão roubar o nosso sono. E que nunca vão passar, mesmo que a vida siga seu fluxo, mesmo que os nossos corações se apaixonem por outros amores. Estaremos sempre guardados um na memória do outro.

De tudo isso fica o meu abraço sincero, o meu desejo de que você seja feliz. Nós dois merecemos. E seremos.


Hugo Ribas é pisciano, escritor, leitor e também uma metamorfose ambulante. Criador deste blog, adora se perder em sentimentos escritos e nem sempre consegue se encontrar em suas próprias palavras. Personagens, narrador e pensamentos se fundem num texto só. Nasceu em Jundiaí – SP e mudou-se para São Paulo – SP aos 16 anos, onde se formou em Design Gráfico e cursou teatro pelo Teatro Escola Macunaima. Apresentou peças de Gianfrancesco Guarnieri e Friedrich Dürrenmatt.


Se você quiser fazer perguntas sobre a vida, o amor, sobre os nossos sentimentos tão contraditórios ou se quiser que sua história se transforme em textos aqui do blog, fique à vontade para deixá-la aqui nos comentários… Se não quiser que a sua identidade seja revelada, é só clicar em CONTATO, preencher o formulário, ou então deixar uma mensagem na nossa página do Facebook 😉

The following two tabs change content below.
Hugo Ribas é pisciano, escritor, leitor e também uma metamorfose ambulante. Criador deste blog e colunista do blog Que Me Transborde, adora se perder em sentimentos escritos e nem sempre consegue se encontrar em suas próprias palavras. Personagens, narrador e pensamentos se fundem num texto só. Nasceu em Jundiaí - SP e mudou-se para São Paulo - SP aos 16 anos, onde se formou em Design Gráfico e cursou teatro pelo Teatro Escola Macunaima. Apresentou peças de Gianfrancesco Guarnieri e Friedrich Dürrenmatt.

Latest posts by Hugo Ribas (see all)

Comments

comments

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *