Textos dos colaboradores

E aí passageiro?

Sou brasileira e nasci na metrópole, entrando na pré-adolescência eu tenho ouvido muito: “Não tenho tempo.” “Tô sem tempo.” “Agora não dá.”
Aqui em São Paulo tudo corre, você não tem tempo para estacionar e conversar com um amigo que encontrou na rua, você não lembra mais dos aniversários das pessoas sem a ajuda do Facebook…
Você acorda de manhã e corre pra cá para não pegar trânsito, corre pra lá para tomar o café da manhã, corre pra cá para voltar pra casa e almoçar com os filhos, vai lá… vai ali… corre contra o tempo o tempo todo!!
Bem-vindos à Vida De Metrópole…
Mas quando você fica doente, o tempo para. Essa semana foi assim, peguei a maior gripe e não saí da cama.
Mesmo morando longe do centro paulistano, posso viver na correria sem nem perceber.
Corre ali com trabalho, com prova, com minha auto-organização, volta conversa, ri, desenha, escreve…
Mas quando você fica doente, tudo para; você fica de cama e não vai trabalhar ou estudar, no máximo mexe no celular e ainda meio assim né?




E nessa semana isso me veio à tona: só paramos quando uma doença vem.
Não pode ser assim, devemos cuidar das pessoas todos os dias, dançar todos os dias, saborear a comida com calma, abraçar seus pais, sorrir mais… todos os dias.
O dinheiro não compra tudo, não compra uma foto com as amigas, um dia com os tios numa festa, um abraço caloroso de seu marido quando chegar em casa, um beijo amoroso de sua esposa à noite, ou um dia com os familiares.
“A vida é trem-bala” e o que importa é ter alguma coisa para deixar depois, aproveitar ao máximo com quem amamos.
Porque a gente é passageiro prestes a partir…
E aí passageiro??
Vai desacelerar o passo e chamar seu amigo para um café ao invés de dar um oi rápido na rua?
Vai abraçar o parente ao invés de mandar o parabéns que o Facebook lembra?
Vai sorrir mais? Abraçar seus pais? Curtir as pequenas alegrias?
Porque isso é viver, é aprender.


Tiffany Guimaraes paulistana, dona do blog Mundo Aleatório; Ama a leitura e a escrita desde que aprendeu a ler. Apaixonada por animais e poemas, sonha em cursar Jornalismo.


 Se você quiser fazer perguntas sobre a vida, o amor, sobre os nossos sentimentos tão contraditórios ou se quiser que sua história se transforme em textos aqui do blog, fique à vontade para deixá-la aqui nos comentários… Se não quiser que a sua identidade seja revelada, é só clicar em CONTATO, preencher o formulário, ou então deixar uma mensagem na nossa página do Facebook 😉
The following two tabs change content below.
Hugo Ribas é pisciano, escritor, leitor e também uma metamorfose ambulante. Criador deste blog e colunista do blog Que Me Transborde, adora se perder em sentimentos escritos e nem sempre consegue se encontrar em suas próprias palavras. Personagens, narrador e pensamentos se fundem num texto só. Nasceu em Jundiaí - SP e mudou-se para São Paulo - SP aos 16 anos, onde se formou em Design Gráfico e cursou teatro pelo Teatro Escola Macunaima. Apresentou peças de Gianfrancesco Guarnieri e Friedrich Dürrenmatt.

Latest posts by Hugo Ribas (see all)

Comments

comments

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *