Textos dos colaboradores

Tudo acontece por uma razão

A vida é feita de momentos, situações, escolhas, decisões.

Tudo passa muito rápido, algumas vezes tão rápido que não conseguimos ter tempo nem de respirar para que a nova cena surja em nossa vida. A vida às vezes é uma avalanche, e se você não estiver forte, preparado, equilibrado e com serenidade, você pode se abalar. Mas quando temos a consciência de que nada acontece por acaso e que tudo tem um sentido maior de ser, nosso coração se acalma e se alegra para experimentar e sentir essa nova “experiência” que está chegando à sua vida. A pergunta não é porque e sim para que serve isso que chega pois desta forma você consegue tirar proveito de cada acontecimento de sua vida, com uma visão positiva e até divertida de que as coisas seguem um fluxo onde uma força maior nos guia.




Tem momentos em nossa vida que parece que tudo está se alinhando, tomando um rumo, indo para seu lugar, parece que a calma e a paz farão morada, mas no momento seguinte acontecem situações que mudam tudo, desacomoda, gera ansiedade, medo, cansaço. Poxa, começar de novo: nova casa, novo relacionamento, novo caminho, novo trabalho. Por um lado parece desafiante, inovador, mas por outro dá uma sensação de começar do zero e bate uma preguiça. No entanto, como falei logo acima, quando entendemos que existe uma razão para esta nova mudança, posso ficar feliz e começar a imaginar que novidades melhores irão surgir com tudo isso, quando não me deixo abater pelo cansaço, desânimo ou pensamentos negativos e de medo, tudo parece uma aventura emocionante: uma montanha russa, uma roda gigante, um mega frio na barriga como quando nos apaixonamos, e isto parece bom, não é? Então é assim que decido que vou seguir a vida e os meus dias. Afinal de contas, sempre achei meio chato a monotonia e as coisas estáticas, rotinas, e tudo mais. Prefiro as emoções fortes. Acredito que quando for para as coisas estabilizarem e se acalmarem elas assim serão: como uma recompensa pelo “trabalho” bem feito, ou até mesmo porque o que era para ficar ficou e o que era para ir foi e o que tiver de ser, será.

Acredito que o importante é sempre ter disposição para encarar as ondas do mar da vida, a forma como encaramos os acontecimentos já diz muito de como nossa vida irá se desenrolar. Somos responsáveis pelo modo de olhar uma dificuldade ou problema e isso fará toda a diferença no resultado final. Confesso que já briguei muito, xinguei, gritei por coisas que não queria (faz parte do nosso amadurecimento) e este é um caminho de aprendizado para toda a vida, mas quando conseguimos lidar de forma mais serena e tranquila com todas as situações, confesso que a vida fica mais bonita, leve e gostosa de viver, mas os altos e baixos fazem parte, afinal: ainda não estamos no paraíso.. Bora curtir o que a vida tem para nos dar!


Alline Gallicchio – Uma alma sonhadora, buscadora. Terapeuta Reiki e Administradora. Uma Porto Alegrense morando em Nova Petrópolis – RS. Facilitadora de grupos de Comunicação Não Violenta e estudiosa de assuntos espirituais e amante de boas leituras. 


Se você quiser fazer perguntas sobre a vida, sobre o amor, sobre os nossos sentimentos tão contraditórios ou se quiser que sua história se transforme em textos aqui do blog, fique à vontade para deixá-la aqui nos comentários… Vamos adorar ler sobre a sua vida e seus pensamentos! Se não quiser que a sua identidade seja revelada, é só clicar em CONTATO, preencher o formulário, ou então deixar uma mensagem na nossa página do Facebook 😉

The following two tabs change content below.
Hugo Ribas é pisciano, escritor, leitor e também uma metamorfose ambulante. Criador deste blog e colunista do blog Que Me Transborde, adora se perder em sentimentos escritos e nem sempre consegue se encontrar em suas próprias palavras. Personagens, narrador e pensamentos se fundem num texto só. Nasceu em Jundiaí - SP e mudou-se para São Paulo - SP aos 16 anos, onde se formou em Design Gráfico e cursou teatro pelo Teatro Escola Macunaima. Apresentou peças de Gianfrancesco Guarnieri e Friedrich Dürrenmatt.

Latest posts by Hugo Ribas (see all)

Comments

comments

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *