Textos dos colaboradores

Eu já sabia

Não precisa perder seu tempo declamando o discurso que você tem ensaiado há duas semanas em frente ao espelho e deitado na cama.

Não precisa mesmo, sério, eu vou ficar bem.

Eu já sabia que você partiria, só não sabia quando, mas sabia que estava perto de acontecer.

Eu já venho me preparando há duas semanas pra essa hora, só não sabia que seria no dia 06 de julho às três e dezessete da tarde na cozinha enquanto preparava o café, mas, eu já sabia.

Não se importe em se despedir, seria constrangedor para você. Apenas recolha suas coisas pra não precisar voltar e não esqueça a camisa do seu time, está em cima do som.

É que sua próxima namorada vai gostar de usá-la nos sábados de manhã. Ela é bem confortável e realça nossas curvas.

Não precisa me olhar com essa expressão de pena, não precisa se martirizar ou se preocupar em soltar o que está engasgado entre suas salivas.

Eu já sabia.

Pode ir tranquilo, já me preparei pra esse dia e eu estou ótima, juro.

Pra ser sincera, não via a hora de acontecer. É uma mistura de ” acaba logo com isso” e a vontade de começar a viver o que a vida me propõe de novo.




O amor não acaba da noite pro dia sabe, mulher percebe muito bem os sinais .

Percebi no seu olhar que do brilho castanho de quando me olhava restou apenas o cinza… Um olhar que já não brilhava mais.

Percebi quando o “eu te amo” já não aparecia, nem em mensagens muito menos pelo som da sua voz, e quando eu te ligava e sua voz engrossava desfazendo da nossa conversa perto dos amigos “leais”.

Sabe, eu já sabia que aconteceria e comecei a me preparar.

A vida é feita de partidas, e quando alguém quer ir ninguém deve obriga-lo a ficar.

Eu vou ficar aqui sem choro, sem remorso. Aceito que aconteceu e acabou porque tinha que acabar, que bom que partiu de você, não é qualquer um que tem maturidade espiritual para aceitar e encarar sem receio uma partida.

Então é isso, dispenso seu adeus aveludado, eu já esperava, eu já sabia.

Eu já sabia porque quem ama não fica até tarde na rua com os amigos da pelada numa sexta-feira à noite e quando chega diz estar cansado, vira de lado e dorme.

Seu sorriso já não era tão aberto, na verdade não correspondia nem um terço do que ele realmente foi um dia. Ele não era mais meu, se já tinha outra dona não sei, mas meu não era.

E quando deixava de pegar na minha mão na rua, e dizia que esquecia desses detalhes.

Seria um detalhe propício a esquecimento querer sentir por perto a pessoa que amamos? Eu acho que não. Então, eu já sabia querido que você não havia esquecido dos detalhes, o caso era que do seu coração eu não fazia mais parte, e eu aceitei.

Estou preparada não vejo problema algum em ficar sozinha.

Então vamos fazer diferente, vem, te acompanho até a porta, te desejo vida nova que você se encontre no caminho que escolheu.

E eu vou sair, dar uma volta no quarteirão tomando o café preto extra forte que preparei, como se estivesse partindo também, e estou mesmo. Quando eu retornar à minha porta estarei entrando em uma vida nova, uma nova história um novo recomeço, exatamente como há duas semanas planejei.

De bem comigo, com a minha companhia.

Recebo de alma aberta o novo capítulo que aqui, agora se inicia.

Tudo começou dia 06 de julho as 16:08 quando eu retornava de um passeio pela vizinhança …


Viviane de Oliveira Teixeira, mora em Ubá, interior de Minas Gerais. 
Transfere para o papel tudo o que lhe inspira e lhe incomoda, sempre compartilhando com as pessoas, refletindo e buscando aprender cada vez mais.

Se você quiser fazer perguntas sobre a vida, o amor, sobre os nossos sentimentos tão contraditórios ou se quiser que sua história se transforme em textos aqui do blog, fique à vontade para deixá-la aqui nos comentários… Se não quiser que a sua identidade seja revelada, é só clicar em CONTATO, preencher o formulário, ou então deixar uma mensagem na página do Facebook 😉
The following two tabs change content below.
Hugo Ribas é pisciano, escritor, leitor e também uma metamorfose ambulante. Criador deste blog e colunista do blog Que Me Transborde, adora se perder em sentimentos escritos e nem sempre consegue se encontrar em suas próprias palavras. Personagens, narrador e pensamentos se fundem num texto só. Nasceu em Jundiaí - SP e mudou-se para São Paulo - SP aos 16 anos, onde se formou em Design Gráfico e cursou teatro pelo Teatro Escola Macunaima. Apresentou peças de Gianfrancesco Guarnieri e Friedrich Dürrenmatt.

Latest posts by Hugo Ribas (see all)

Comments

comments

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *