Textos dos colaboradores

Agora ela se ama





Depois de algum tempo acabei percebendo que talvez você não fosse o amor da minha vida.
Acabei notando algumas falhas no nosso relacionamento, coisas que eu empurrava pra debaixo do tapete.
Aqueles dias em que tudo que eu falava era errado e aí eu me calava para te agradar.

Tinha dias em que eu só queria ficar em casa, comer um brigadeiro com você, mas você só queria saber de sair.
Talvez eu não fosse a melhor namorada do mundo, mas eu não era uma má namorada, aliás sempre fazia de tudo para te agradar. Outro erro meu.

Não digo isso porque guardo mágoas nem nada do tipo, falo pelo simples fato de que finalmente te esqueci, falo porque meu coração está leve e agora não há mais espaço pra você.
Nem sempre a gente ama, às vezes achamos que sim, talvez porque nunca fomos amados verdadeiramente.  Confesso que fui eu quem quis insistir nesse fracasso que chamávamos de “amor”. E você, meu caro, não chegou nem perto do amor. Hoje eu olho nossas fotos e fico me perguntando:

“Por que eu queria tanto o seu amor?”

É que eu ainda não sabia que podia ser feliz sozinha, não sabia que nem sempre preciso ter alguém,  não sabia que podia ser feliz sem você. O bom de tudo é que você me fez descobrir o amor próprio.

Agora sei exatamente porque você gostava de sair e beijar várias bocas, queria ser “o cara”, sem nem imaginar que você não precisava de nada disso para se auto afirmar!

Para ser “o cara”, era só ser você mesmo.

Você podia ter sido “o cara” pra mim, mas preferiu ser apenas mais um menino imaturo que tem muito o que aprender para amar de verdade.


Bia Civa, 19 anos, mora em Mato Castelhano/RS, canceriana, apaixonada por livros, música e violão, gosta das coisas simples da vida, um abraço apertado, um perfume, um beijo ou até mesmo um aperto de mão.


Se você quiser fazer perguntas sobre a vida, o amor, sobre os nossos sentimentos tão contraditórios ou se quiser que sua história se transforme em textos aqui do blog, fique à vontade para deixá-la aqui nos comentários… Se não quiser que a sua identidade seja revelada, é só clicar em CONTATO, preencher o formulário, ou então deixar uma mensagem na nossa página do Facebook 😉

Hugo Ribas é pisciano, escritor, leitor e também uma metamorfose ambulante. Criador deste blog, ele adora se perder em sentimentos escritos e nem sempre consegue se encontrar em suas próprias palavras. Personagens, narrador e pensamentos se fundem num texto só. Nasceu em Jundiaí – SP e mudou-se para São Paulo – SP aos 16 anos, onde se formou em Design Gráfico e cursou teatro pelo Teatro Escola Macunaima. Apresentou peças de Gianfrancesco Guarnieri e Friedrich Dürrenmatt. Foi premiado em 5º lugar no XV Concurso Literário JI / AEPTI, na categoria Contos e Crônicas.

Entre em contato: ribashugo@hotmail.com


“Lembrar de você não dói mais. Pensar em você é como lembrar de uma piada tola… A gente dá uma risadinha e logo esquece.” – Hugo Ribas

The following two tabs change content below.
Hugo Ribas é pisciano, escritor, leitor e também uma metamorfose ambulante. Criador deste blog e colunista do blog Que Me Transborde, adora se perder em sentimentos escritos e nem sempre consegue se encontrar em suas próprias palavras. Personagens, narrador e pensamentos se fundem num texto só. Nasceu em Jundiaí - SP e mudou-se para São Paulo - SP aos 16 anos, onde se formou em Design Gráfico e cursou teatro pelo Teatro Escola Macunaima. Apresentou peças de Gianfrancesco Guarnieri e Friedrich Dürrenmatt.

Latest posts by Hugo Ribas (see all)

Comments

comments

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *