Textos dos colaboradores

Não sei mais ser eu sem você

O que eu acho mais bonito é você acordar e preparar o meu café. Sim, é nessas coisinhas tão simples, que talvez você faça sem pretensão alguma, por hábito adquirido muito antes de me conhecer, que você vai conquistando cada vez um lugarzinho mais fundo no meu coração.

Cheguei à conclusão de que eu não sei mais como é viver sem você, sem todos esses detalhes que algumas vezes chegam a ser irritantes, mas que fazem de você simplesmente você. Eu, que sempre fui tão seguro de mim, que sempre falei até para o vento que não precisava de ninguém e que nunca acharia alguém no mundo que me fizesse me prender, fui me perder nas curvas desse sorriso. Agora eu sinto que é um caminho sem volta.




Já não sei mais ser eu sem ser eu e você. Penso em você a cada segundo, sempre na hora errada. Quero ver o teu sorriso do amanhecer ao anoitecer, dormir e acordar sentindo o teu cheiro como num eterno filme de amor. Mesmo parecendo o cara mais bobo da face da terra, quero colher todas as rosas do caminho para te dar, quero escrever os mais belos poemas para dizê-los bem baixinho ao seu ouvido e olhar as estrelas com você em meus braços, pois nada disso mais faz sentido se não for para você, com você.

Assim, nessas pequenas coisas que você faz, você acabou me laçando nessa trama onde eu já não sei mais o que é viver sem ter você. Mesmo parecendo tão clichê, minha vida criou mais cor ao teu lado, conheci os céus sem tirar os pés do chão. Não é preciso dizer nenhuma palavra, o “eu te amo” já é muito pequeno perto de como você me faz sentir. Sei que me amas pelo jeito que me olhas, pela doçura na voz com que me diz bom dia e no cuidado dessas pequenas coisas que fazem de você meu maior amor.


Matheus Miranda é um vagalume que se propôs a ser ele mesmo, mesmo sabendo que a busca por si mesmo é sempre algo constante e mutável. Apaixonado pela escrita é membro idealizador do blog SER E SÓ. Leonino com a lua em virgem, estudou  Logística além de viajar apaixonadamente pelo comércio exterior, e por projetos com processos criativos e de co-criação. Entende que entre livros, vinhos e pessoas está o supra sumo do universo e o que vem em seguida disso é de regalo extra da maravilhosa vida.

Se você quiser fazer perguntas sobre a vida, o amor, sobre os nossos sentimentos tão contraditórios ou se quiser que sua história se transforme em textos aqui do blog, fique à vontade para deixá-la aqui nos comentários… Se não quiser que a sua identidade seja revelada, é só clicar em CONTATO, preencher o formulário, ou então deixar uma mensagem na nossa página do Facebook 😉 Vamos ficar muito felizes em poder compartilhar contigo esses desabafos e sentimentos <3

Hugo Ribas é pisciano, escritor, leitor e também uma metamorfose ambulante. Criador deste blog, adora se perder em sentimentos escritos e nem sempre consegue se encontrar em suas próprias palavras. Personagens, narrador e pensamentos se fundem num texto só. Nasceu em Jundiaí – SP e mudou-se para São Paulo – SP aos 16 anos, onde se formou em Design Gráfico e cursou teatro pelo Teatro Escola Macunaima. Apresentou peças de Gianfrancesco Guarnieri e Friedrich Dürrenmatt. Foi premiado em 5º lugar no XV Concurso Literário JI / AEPTI, na categoria Contos e Crônicas.

Entre em contato: ribashugo@hotmail.com

The following two tabs change content below.
Hugo Ribas é pisciano, escritor, leitor e também uma metamorfose ambulante. Criador deste blog e colunista do blog Que Me Transborde, adora se perder em sentimentos escritos e nem sempre consegue se encontrar em suas próprias palavras. Personagens, narrador e pensamentos se fundem num texto só. Nasceu em Jundiaí - SP e mudou-se para São Paulo - SP aos 16 anos, onde se formou em Design Gráfico e cursou teatro pelo Teatro Escola Macunaima. Apresentou peças de Gianfrancesco Guarnieri e Friedrich Dürrenmatt.

Latest posts by Hugo Ribas (see all)

Comments

comments

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *