Textos dos colaboradores

Eu decidi te esquecer

Eu deveria te esquecer, minha obrigação era te tirar daqui.

Eu deveria colocar o “amor” que você me ofereceu em um saco de lixo e jogar fora, assim como as pessoas fazem com tudo o que vence. E foi isso que aconteceu com a gente… A validade do nosso amor para você não durou muito  e meu amor passou do prazo, já não servia.

Eu deveria arrancar você com toda a força, deveria obrigar meus pensamentos a te esquecerem e principalmente o meu coração a não te amar, isso mesmo, eu não deveria te amar.

Mas eu amo. Mesmo depois de tudo o que você fez e tudo o que você deixou de fazer, mesmo após fazer pouco caso do meu amor, mesmo escolhendo viver várias aventuras ao invés de por os pés no chão e me abraçar. É engraçado como você mexe comigo, hoje vi uma foto sua com outra garota e não consigo decifrar o que senti ao ver o seu sorriso e não ser o motivo dele.

Você já beijou várias bocas, perdeu as contas de quantos cheiros sentiu, nem lembra o nome de todas. Mesmo assim, quando me perguntam se eu já amei, sem nem pensar duas vezes, é o seu nome que eu digo. Mas hoje, decidi não te esperar mais, decidi seguir em frente e deixar nossa história no passado, como uma coisa boa. Decidi viver outras histórias, decidi sentir outros perfumes, decidi finalmente me apaixonar de novo.




Decidi olhar para outras pessoas, dar a chance para novos amores,  decidi te esquecer… E por mais que meu coração se irrite ao ouvir isso, ele vai encontrar outro alguém, ele amará outro garoto, afinal de contas, você não tem todo esse poder não.

Eu decidi deixar todo esse amor que sinto por você voar. Decidi abrir as portas do meu coração novamente,  outro alguém vai chegar e aceitar toda essa bagunça que eu sou. Toda essa bagunça que você não quis organizar.
Outro alguém vai trazer amor, vai amar cada pedacinho de mim.

Eu decidi te esquecer, pensei tanto tempo nisso que nem lembrei de te odiar e nem sentir raiva. Eu só desejo que você ame essa garota assim como você deveria ter me amado. Desejo que você faça ela sorrir, que aceite ela do jeitinho que ela é. Desejo sempre que você seja feliz e que principalmente a faça feliz, não decepciona o amor de novo não, garoto.


Bia Civa, 19 anos, mora em Mato Castelhano/RS, canceriana, apaixonada por livros, música e violão, gosta das coisas simples da vida, um abraço apertado, um perfume, um beijo ou até mesmo um aperto de mão.


Se você quiser fazer perguntas sobre a vida, o amor, sobre os nossos sentimentos tão contraditórios ou se quiser que sua história se transforme em textos aqui do blog, fique à vontade para deixá-la aqui nos comentários… Se não quiser que a sua identidade seja revelada, é só clicar em CONTATO, preencher o formulário, ou então deixar uma mensagem na nossa página do Facebook 😉

Hugo Ribas é pisciano, escritor, leitor e também uma metamorfose ambulante. Criador deste blog, ele adora se perder em sentimentos escritos e nem sempre consegue se encontrar em suas próprias palavras. Personagens, narrador e pensamentos se fundem num texto só. Nasceu em Jundiaí – SP e mudou-se para São Paulo – SP aos 16 anos, onde se formou em Design Gráfico e cursou teatro pelo Teatro Escola Macunaima. Apresentou peças de Gianfrancesco Guarnieri e Friedrich Dürrenmatt. Foi premiado em 5º lugar no XV Concurso Literário JI / AEPTI, na categoria Contos e Crônicas.

Entre em contato: ribashugo@hotmail.com


“Lembrar de você não dói mais. Pensar em você é como lembrar de uma piada tola… A gente dá uma risadinha e logo esquece.” – Hugo Ribas

The following two tabs change content below.
Hugo Ribas é pisciano, escritor, leitor e também uma metamorfose ambulante. Criador deste blog e colunista do blog Que Me Transborde, adora se perder em sentimentos escritos e nem sempre consegue se encontrar em suas próprias palavras. Personagens, narrador e pensamentos se fundem num texto só. Nasceu em Jundiaí - SP e mudou-se para São Paulo - SP aos 16 anos, onde se formou em Design Gráfico e cursou teatro pelo Teatro Escola Macunaima. Apresentou peças de Gianfrancesco Guarnieri e Friedrich Dürrenmatt.

Latest posts by Hugo Ribas (see all)

Comments

comments

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *