Textos dos colaboradores

Podia ter sido o homem da minha vida, mas foi só mais um moleque

Você podia ter sido todas aquelas coisas boas que o amor traz, mas nem amor você trouxe. Você podia ter sido aquele cara dos meus sonhos, mas só aparecia quando não tinha ninguém, só me queria quando ninguém te queria.

Podia ter sido o cara que eu desejava toda hora, mas aos poucos foi me perdendo e nem percebeu. Porque na verdade nunca me teve. Você podia ter sido o amor da minha vida, aquele que eu iria querer sempre, mas depois de um tempo percebi que você não passava de uma dessas aventuras que passam pela gente e ensinam a como não ser.

Tu poderia ter sido o motivo dos meus textos românticos, até foi um dia, hoje só sei lembrar de decepção quando vejo seu nome. Você podia ter feito a diferença, podia ter me mostrado que nem todos são iguais, mas foi só mais um desses meninos imaturos que acham graça em magoar.




Você podia descobrir vários sorrisos meus, podia ser o motivo deles, mas o meu sorriso para você não tinha encanto.
O dia que você perceber que tem gente tão linda por dentro que a gente nem repara na beleza de fora, você vai entender o que é se apaixonar de verdade. Você não quis ser o amor, nem a paixão, foi apenas imaturidade, foi apenas mais um desses que se divertem à custa do amor dos outros.

Você só foi mais um desses caras que se sentem poderosos em pegar várias, mas não percebem que não tem nenhuma. Você foi só mais uma dessas decepções passageiras que entram fazendo bagunça e saem. Eu arrumei tudo sozinha e hoje você quer fazer parte dessa bagunça, só que hoje eu não quero mais amores passageiros, porque já tenho um amor duradouro. O meu próprio amor.


Bia Civa, 19 anos, mora em Mato Castelhano/RS, canceriana, apaixonada por livros, música e violão, gosta das coisas simples da vida, um abraço apertado, um perfume, um beijo ou até mesmo um aperto de mão.


Se você quiser fazer perguntas sobre a vida, o amor, sobre os nossos sentimentos tão contraditórios ou se quiser que sua história se transforme em textos aqui do blog, fique à vontade para deixá-la aqui nos comentários… Se não quiser que a sua identidade seja revelada, é só clicar em CONTATO, preencher o formulário, ou então deixar uma mensagem na nossa página do Facebook 😉

Hugo Ribas é pisciano, escritor, leitor e também uma metamorfose ambulante. Criador deste blog, ele adora se perder em sentimentos escritos e nem sempre consegue se encontrar em suas próprias palavras. Personagens, narrador e pensamentos se fundem num texto só. Nasceu em Jundiaí – SP e mudou-se para São Paulo – SP aos 16 anos, onde se formou em Design Gráfico e cursou teatro pelo Teatro Escola Macunaima. Apresentou peças de Gianfrancesco Guarnieri e Friedrich Dürrenmatt. Foi premiado em 5º lugar no XV Concurso Literário JI / AEPTI, na categoria Contos e Crônicas.

Entre em contato: ribashugo@hotmail.com


“Lembrar de você não dói mais. Pensar em você é como lembrar de uma piada tola… A gente dá uma risadinha e logo esquece.” – Hugo Ribas

The following two tabs change content below.
Hugo Ribas é pisciano, escritor, leitor e também uma metamorfose ambulante. Criador deste blog e colunista do blog Que Me Transborde, adora se perder em sentimentos escritos e nem sempre consegue se encontrar em suas próprias palavras. Personagens, narrador e pensamentos se fundem num texto só. Nasceu em Jundiaí - SP e mudou-se para São Paulo - SP aos 16 anos, onde se formou em Design Gráfico e cursou teatro pelo Teatro Escola Macunaima. Apresentou peças de Gianfrancesco Guarnieri e Friedrich Dürrenmatt.

Latest posts by Hugo Ribas (see all)

Comments

comments

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *