Textos dos colaboradores

Minha melhor versão

O tempo não cura tudo, ele somente muda as peças de lugar, a importância da ordem, as palavras de versão, mas ainda assim têm coisas que nem ele é capaz de mudar.

Ainda vai demorar um tempo pra eu perceber que sentimentos inteiros não merecem metades. Vai demorar pra entender que não são as bobagens que nos ferem, são as reações que acontecem diante delas que nos calam.

Talvez eu tenha percebido tarde todo o significado que já cedo você teve pra mim, e que o meu sossego era gigante quando você estava por perto. Já não posso negar a diferença que você fez, eu que não soube contar. Todos os dias eu era melhor porque você estava alí. Você tem muito a ver com tudo que me tornei e por tudo que encontrei e que um dia achei ter perdido.

Eu me arrependo de tantas coisas. Eu me arrependo por não ter feito nada pra você ficar, me arrependo por ter ignorado a força que seu abraço tinha em mim. Eu me arrependo por não ter acreditado no poder que seu sorriso tinha na minha vida, Eu só queria escapar do bem que você gritava feito eco dentro de mim.




Eu não podia ter desistido da alegria só porque ela se atrasou alguns minutos, era só ter diminuído as urgências e sangrar menos por sentir demais. Você se foi antes mesmo de me ensinar todas as coisas que eu precisava aprender.

De certo quando eu parar de pedir, você resolva aparecer, aparecer nas saudades, no vão das palavras que você deixou pra mim, no silêncio que ficou pra sempre entre nós. E então, talvez assim meio sem querer, eu possa acreditar que as melhores coisas da vida não precisam acontecer de fato para nos sentirmos presenteados.

E se depois de tudo, depois de eu ver todo o tempo passar, na minha memória e no meu coração, eu quero que fique o que eu não soube entender o que era, mas que hoje sei sentir bem o que é. Era a vida me fazendo sorrir só de ter você por perto. Quero que fique aquela saudade boa de tudo que você significou pra mim, de toda verdade que você trouxe pra minha vida.

Mas hoje já não cabem palavras, nem rascunhos, nem tentativas, o silêncio tocou e eu não pude ou não soube dizer nada. Você foi o meu melhor lado e o meu pior doer, me trouxe mil novas oportunidades e eu não consegui segurar nenhuma. Você foi o que me encheu de luz e eu não deixei brilhar. Você foi a minha melhor versão e eu não consegui te amar.


Gisele Ribeiro, Gaúcha – Gremista – Escorpiana. Jornalista e Relações Públicas, mora em Caxias do Sul, RS. Apaixonada por livros, música, poesia, chimarrão e cachorro. As coisas simples a encantam e as palavras a transbordam.


Se você quiser fazer perguntas sobre a vida, o amor, sobre os nossos sentimentos tão contraditórios ou se quiser que sua história se transforme em textos aqui do blog, fique à vontade para deixá-la aqui nos comentários… Se não quiser que a sua identidade seja revelada, é só clicar em CONTATO, preencher o formulário, ou então deixar uma mensagem na página do Facebook 😉


Hugo Ribas é pisciano, escritor, leitor e também uma metamorfose ambulante. Criador deste blog, adora se perder em sentimentos escritos e nem sempre consegue se encontrar em suas próprias palavras. Personagens, narrador e pensamentos se fundem num texto só. Nasceu em Jundiaí – SP e mudou-se para São Paulo – SP aos 16 anos, onde se formou em Design Gráfico e cursou teatro pelo Teatro Escola Macunaima. Apresentou peças de Gianfrancesco Guarnieri e Friedrich Dürrenmatt. Foi premiado em 5º lugar no XV Concurso Literário JI / AEPTI, na categoria Contos e Crônicas.

Entre em contato: ribashugo@hotmail.com

The following two tabs change content below.
Hugo Ribas é pisciano, escritor, leitor e também uma metamorfose ambulante. Criador deste blog e colunista do blog Que Me Transborde, adora se perder em sentimentos escritos e nem sempre consegue se encontrar em suas próprias palavras. Personagens, narrador e pensamentos se fundem num texto só. Nasceu em Jundiaí - SP e mudou-se para São Paulo - SP aos 16 anos, onde se formou em Design Gráfico e cursou teatro pelo Teatro Escola Macunaima. Apresentou peças de Gianfrancesco Guarnieri e Friedrich Dürrenmatt.

Latest posts by Hugo Ribas (see all)

Comments

comments

2 thoughts on “Minha melhor versão”

  1. Muito lindo….Queria texto para envia para envia meu pai…sabi,ele separou da mimja mae e não fala com nenhum doa filhos e tudo que ele nos deseja é a morte isso me deixa triste muito magoada como pode um pai odiar tanto os filhos…
    Um grande abraço….
    Loh siilvas

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *