Textos dos colaboradores

Não serei eu

Você ignorou todas as indiretas diretas que te mandei ontem. Você ignorou aquele texto de 500 palavras sobre o quanto eu queria que tivesse sido você. Você preferiu seguir seu rumo sozinho, quer dizer, não sei se sozinho. Só sei que sem mim.

Sabe, um dia cê vai ter alguém pra chamar de amor. Alguém pra te dizer “dorme bem” antes de ir embora. Alguém que faça teu coração vibrar com um sorriso.

Que vai te beijar antes de dormir.

Não serei eu.

Eu não vou ouvir tuas histórias bobas e te parabenizar com um sorriso no rosto a cada conquista daquele teu sonho. Poderia, mas você não deixou. Insistiu que seria melhor apostar no seu orgulho de bom leonino e continuar firme e forte sem mim.




Alguém que vai escrever um verso bonito sobre o teu sorriso. Não tão bonito quanto os meus, confesso. Tenho todos guardados até hoje naquele caderninho vermelho que você me deu, mesmo depois de ter me pedido para tacar fogo em tudo que trouxesse a tona o seu esquecido amor.

Pois é, me recusei.

Você sabe que teimosia sempre foi minha marca registrada, assim como eu sei que não devo levar ao pé da letra tudo o que você diz. E é por isso que continuo te escrevendo, mesmo sabendo que não sou e não serei o motivo da sua alegria.

Não serei eu a dona do abraço que te embala pela manhã antes do trabalho. Não serei a dona dos olhos que refletem tua imagem adormecida no domingo. Que inveja se quem terá a sorte de ser.

Te imaginei tanto que sei cada detalhe teu. E quando fecho os olhos consigo enxergar aquela sua pinta do lado direito, em cima da barba. E te imagino todos os dias, pra não correr o risco de esquecer do seu rosto de menino mau. É o meu rosto preferido.

Você também deve ter um.

Mas não é o meu.


Bruna Frotté, Taurina, viciada em Greys Anatomy e Taylor Swift, estudante de direito por obrigação e escritora por amor. Criadora do Palavras e Clichês


Se você quiser fazer perguntas sobre a vida, o amor, sobre os nossos sentimentos tão contraditórios ou se quiser que sua história se transforme em textos aqui do blog, fique à vontade para deixá-la aqui nos comentários… Se não quiser que a sua identidade seja revelada, é só clicar em CONTATO, preencher o formulário, ou então deixar uma mensagem na página do Facebook 😉


Hugo Ribas é pisciano, escritor, leitor e também uma metamorfose ambulante. Criador deste blog, adora se perder em sentimentos escritos e nem sempre consegue se encontrar em suas próprias palavras. Personagens, narrador e pensamentos se fundem num texto só. Nasceu em Jundiaí – SP e mudou-se para São Paulo – SP aos 16 anos, onde se formou em Design Gráfico e cursou teatro pelo Teatro Escola Macunaima. Apresentou peças de Gianfrancesco Guarnieri e Friedrich Dürrenmatt. Foi premiado em 5º lugar no XV Concurso Literário JI / AEPTI, na categoria Contos e Crônicas.

Entre em contato com o nosso blog: ribashugo@hotmail.com

The following two tabs change content below.
Hugo Ribas é pisciano, escritor, leitor e também uma metamorfose ambulante. Criador deste blog e colunista do blog Que Me Transborde, adora se perder em sentimentos escritos e nem sempre consegue se encontrar em suas próprias palavras. Personagens, narrador e pensamentos se fundem num texto só. Nasceu em Jundiaí - SP e mudou-se para São Paulo - SP aos 16 anos, onde se formou em Design Gráfico e cursou teatro pelo Teatro Escola Macunaima. Apresentou peças de Gianfrancesco Guarnieri e Friedrich Dürrenmatt.

Latest posts by Hugo Ribas (see all)

Comments

comments

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *