Textos dos colaboradores

Eu não desisti, só estou me refazendo

É feito uma larvinha que se recolhe pra sair borboleta.
É que tem tempo pra tudo e percebi que estou no tempo de me recolher das histórias de amor, das expectativas e frustrações.
Eu não desisti do amor, nem de encontrar minha tampa, mas decidi não correr atrás e deixar que as borboletas encontrem meu jardim.
A gente vive criando muitas expectativas e seguimos mergulhados em uma eterna frustração por não alcançá-las.
Eu estou cansada, cansada de mentiras seguidas de perdões.
Cansada de apertos no peito e descobertas infelizes acompanhadas de segundas e terceiras chances.
Preciso me recolher, fechar meu mundo pra visitações.
A vida não é feita só disso, não é viver em busca de alguém que te valorize e te transborde, a vida é muito mais, não preciso me preocupar vinte e quatro horas por dia em ter alguém.
A vida não é feita só de tentativas frustradas em acertar, a minha vida vai ser por mim, pelo menos por um tempo.




Preciso organizar as coisas aqui dentro, aproveitar as noites sem me importar em encontrar alguém. Preciso colocar meu melhor vestido e passar meu batom vermelho sem me preocupar se vai ser atrativo pra outros, só colocar, usar, fazer pensando em mim.
Vou me preocupar em me agradar.
Cansei de mergulhar no desconhecido, ter que descobrir os defeitos, qualidades e traçar toda aquela estratégia de conquista para no final concluir que não era pra ser.
Não quero conhecer ninguém e nem me apresentar pra ninguém também.
Não, eu não desisti. Só que de tempos em tempos a gente precisa se auto conhecer, se auto descobrir pra entender o quão maravilhosas somos e que o problema não está na gente.
O mundo é que anda meio torto, daí fica difícil cruzar com a pessoa certa.
Eu só quero me guardar em mim para cuidar de mim e poder me doar completa, sem buracos quando sair daqui.
Quem realmente me quiser, que me espere.


Viviane de Oliveira Teixeira, mora em Ubá, interior de Minas Gerais. 
Transfere para o papel tudo o que lhe inspira e lhe incomoda, sempre compartilhando com as pessoas, refletindo e buscando aprender cada vez mais.

Se você quiser fazer perguntas sobre a vida, o amor, sobre os nossos sentimentos tão contraditórios ou se quiser que sua história se transforme em textos aqui do blog, fique à vontade para deixá-la aqui nos comentários… Se não quiser que a sua identidade seja revelada, é só clicar em CONTATO, preencher o formulário, ou então deixar uma mensagem na página do Facebook 😉

Hugo Ribas é pisciano, escritor, leitor e também uma metamorfose ambulante. Criador deste blog, adora se perder em sentimentos escritos e nem sempre consegue se encontrar em suas próprias palavras. Personagens, narrador e pensamentos se fundem num texto só. Nasceu em Jundiaí – SP e mudou-se para São Paulo – SP aos 16 anos, onde se formou em Design Gráfico e cursou teatro pelo Teatro Escola Macunaima. Apresentou peças de Gianfrancesco Guarnieri e Friedrich Dürrenmatt. Foi premiado em 5º lugar no XV Concurso Literário JI / AEPTI, na categoria Contos e Crônicas.

Entre em contato: ribashugo@hotmail.com

The following two tabs change content below.
Hugo Ribas é pisciano, escritor, leitor e também uma metamorfose ambulante. Criador deste blog e colunista do blog Que Me Transborde, adora se perder em sentimentos escritos e nem sempre consegue se encontrar em suas próprias palavras. Personagens, narrador e pensamentos se fundem num texto só. Nasceu em Jundiaí - SP e mudou-se para São Paulo - SP aos 16 anos, onde se formou em Design Gráfico e cursou teatro pelo Teatro Escola Macunaima. Apresentou peças de Gianfrancesco Guarnieri e Friedrich Dürrenmatt.

Latest posts by Hugo Ribas (see all)

Comments

comments

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *