hugo ribas talvez um dia
Textos dos colaboradores

Talvez um dia

Talvez um dia a gente se encontre por aí e sinta uma saudade boa… Talvez a gente se esbarre em uma festa e seja capaz de sorrir. Quem sabe a gente esqueça nem que seja por um segundo das brigas e tristezas. Talvez a gente sinta um friozinho na barriga quando rolar aquele abraço.

Quem sabe um dia a gente se encontre mais maduro, mais certos daquilo que realmente queremos. Talvez sem tantos medos e inseguranças. Quem sabe um dia a gente retome a nossa história da onde ela parou. Quem sabe a gente se lembre do que realmente foi bom e fez bem.

Talvez um dia, num momento em que a vida esteja mais arrumada, exista lugar na vida um do outro… E no coração também. Quem sabe estaremos diferentes e com a certeza do que queremos pra nós.

Quem sabe um dia a gente consiga conversar sobre tudo, sem sentir aquele gosto de despedida, aquele sentimento que não deu certo, que algum de nós tentou mais do que devia, que alguém fez mais do que podia.

Talvez um dia eu possa te ligar te contando sobre minha promoção no trabalho, sobre aquela vaga que abriu pro curso que eu tanto quis fazer… Ou que eu pergunte sobre sua família sem sentir como se ainda fosse minha. Talvez um dia a gente possa indicar um ao outro filmes e músicas sem a aquela ideia de que possa ser uma indireta.




Talvez a gente perceba que foram nossos erros que nos afastaram e que podemos ainda tentar. Talvez saibamos entender a vida de uma outra forma… Perceber que o amor é muito além do que tínhamos antes. Talvez um dia estaremos frente a frente e sentiremos ternura e admiração pela pessoa que cada um se tornou… Orgulho por cada coisa que o outro conquistou.

Talvez, com o passar do tempo, a gente calcule melhor os estragos e sinta a falta que o outro faz. Talvez um dia sejamos humanos suficiente para admitir que a culpa veio de todos os lados. Talvez a gente se encontre num bar pra tomar uma cerveja e deixe o papo rolar solto, sem a preocupação do que o outro vai pensar. Talvez a gente se acostume com a ideia de que mesmo separados podemos ser amigos. Podemos construir algo que ainda não sabemos ao certo o que é juntos.

Talvez um dia a gente se olhe com o mesmo fascínio e admiração de quando nos conhecemos. Sem quebrar nenhum encanto. Talvez um dia a gente descubra que depois do nosso abraço nenhum mais se encaixou. Talvez a gente se dê conta que os outros beijos nem têm gosto de beijo e que a saudade é a coisa mais difícil de suportar.

Talvez um dia eu te olhe de novo e sinta brotar toda aquela coisa boa que nos uniu na primeira vez… Talvez eu sinta vontade de voltar, de estar ao teu lado. Não porque o universo conspirou ao nosso favor, mas porque realmente nosso sentimento resistiu ao tempo e às nossas próprias mudanças. Que a gente recomece porque entendeu que é melhor estar juntos do que lidar com essa saudade que nos visita todos os dias.


Você com certeza vai AMAR esse texto aqui, não deixe de ler: Eu tentei me afastar

Conheça um pouco mais sobre a Gisele Ribeiro clicando aqui.

The following two tabs change content below.

Gisele Ribeiro

Gisele Ribeiro, Gaúcha - Gremista - Escorpiana. Jornalista e Relações Públicas, mora em Caxias do Sul, RS. Apaixonada por livros, música, poesia, chimarrão e cachorro. As coisas simples a encantam e as palavras a transborda.

Latest posts by Gisele Ribeiro (see all)

Comments

comments

1 thought on “Talvez um dia”

Comments are closed.