A tal da lista de resoluções

A tal da lista de resoluções.

Quando chega essa época de fim de mais um ciclo, começamos a montar tal listinha de resoluções para o ano que virá. Talvez você não chegue a escrever os planos para o ano novo num papel. Talvez só armazene tudo na cabeça e vá mentalmente pensando nas coisas que pretende conquistar. Mas se for como eu (virginiana e louca da organização) fará de fato essa lista… Colocando nela os itens, sonhos, planos, metas que acha que deve alcançar no próximo ano.

Todo ano é assim, os finais nos dão aquela sensação boa de recomeço, de segunda chance, como se tudo pudesse – e pode – ser refeito. E aí a gente já começa o ano pensando em fazer milhões de coisas. Acontece que conforme o ano vai acabando novamente, e você vai se dando conta que não conseguiu fazer metade das coisas que estavam na lista, você obviamente se sente frustrado pelas coisas que não aconteceram como esperava.

Talvez o problema esteja na lista que montamos, sabe? Talvez a gente queira alcançar tantas coisas grandes e quase impossíveis, que acabamos deixando de lado as coisas pequenas e essenciais que conseguimos conquistar.

Mas por que decidimos começar o ano com tantas cobranças nos ombros? Por que fazemos isso todo ano? Por que é que olhamos para trás e definimos o ano que passou como perdido, ruim e desinteressante?! Só porque não conseguimos colocar o sinalzinho de ‘feito’ na frente dos itens daquela lista?!




Acontece que você foca tanto nessas coisas mais difíceis de acontecer, que acaba se esquecendo de ver tudo que conquistou de bom.

Talvez você não precise emagrecer os quilos que as revistas insistem em dizer que deve. E sim, começar a amar seu corpo e a pessoa incrível que habita nele. Talvez você não tenha encontrado a tal alma gêmea ainda, mas conheceu almas maravilhosas e pode viver momentos incríveis com elas. Talvez não tenha ainda saído do emprego ruim, mas conseguiu enfrentar mais um ano nesse lugar e vencê-lo. Talvez ainda não tenha descoberto o que quer fazer da vida, mas viveu, e tem vivido… E isso já é incrível.

Então quem sabe o lance seja mudarmos nossa perspectiva perante a vida. Paramos de achar que só somos vencedores se alcançarmos os objetos mais altos ou conquistarmos o que todo mundo conquistou. Você também é um vencedor por ter conquistado as pequenas coisas. Por ter conquistado o que o restante do mundo não entenderia. Valorize os pequenos passos. Valorize suas vitórias diárias.

São elas que te tornam capaz de alcançar as outras maiores… Pois vão te moldando e te dando impulso para frente. Vão te transformando no seu próprio herói.

Isso não significa se contentar com pouco ou se achar incapaz de conquistar coisas maiores. Significa tirar dos seus ombros fardos que você não precisa carregar, apenas para atingir objetivos que talvez nem tragam a felicidade que você esperava.

Que nesse novo ano a gente consiga ver felicidade nas pequenas coisas e sentir que cada dia merece a sua comemoração. Que todo amanhecer também é um recomeço.

E que a vida não precisa seguir um manual de instruções para valer a pena.

Você pode ser imensamente feliz vivendo uma vida normal, desleixada, com as pessoas que te importam… Sem começo ou fim, sem ‘trinta e uns’ de dezembro e ‘Primeiros’ de janeiro. Sem aquele medo de não conquistar, sem o medo de acreditar que será feliz e completo… Que esse novo ano a gente tenha a certeza de que tudo que possuímos também é um presente.


Se você gostou deste artigo da Lari Pandori, leia também essa publicação, você vai AMAR com certeza: Promessas de Ano Novo de Novo?

Eu também sou colunista de outros blogs, dá um pulinho lá para conferir: Que Me Transborde / Superela /  Recalculando a Rota.

The following two tabs change content below.

Lari Pandori

21 anos, estudante de jornalismo, sonha em ser a próxima Carrie Bradshaw. Mãe da Zoe Lilly, uma yorkshire bagunceira, noiva do Homão da P*rra também conhecido como Danilão. Vive pra enaltecer a mulher maravilha, fã de carteirinha de Greys Anatomy, passa maior parte do tempo com uma xícara de café na mão.

Latest posts by Lari Pandori (see all)

Comments

comments

Lari Pandori

21 anos, estudante de jornalismo, sonha em ser a próxima Carrie Bradshaw. Mãe da Zoe Lilly, uma yorkshire bagunceira, noiva do Homão da P*rra também conhecido como Danilão. Vive pra enaltecer a mulher maravilha, fã de carteirinha de Greys Anatomy, passa maior parte do tempo com uma xícara de café na mão.