O adeus que a gente nunca disse

O adeus que a gente nunca disse

Nós não nos despedimos. Não houve um adeus, nem algo que pudesse nos romper para sempre. Não houve uma palavra que eu pudesse entender que ali, naquele exato momento, nós chegávamos ao fim. Não houve um beijo de despedida, um até breve, um fica com Deus, um seja feliz. Não houve nada. E é essa sensação que mais dói. Essa coisa de, no fundo do meu coração, ainda não ter terminado. Algo que ficou pra depois. É como se fosse uma janela aberta, que vez ou outra bate o vento e faz bagunça dentro de mim.

Nós não fomos capazes de nos olharmos nos olhos, de deixar um pouco de carinho ou quem sabe demonstrar um pouco de tristeza pela partida. Não fomos capazes de pronunciar uma palavra, esboçar um semblante distinto. Nós não encerramos nossa história. Eu não olhei pra trás, você não me chamou de volta e a gente resolveu seguir.

Não sei se você sente o mesmo, mas é como se eu ainda estivesse ligada a você. De alguma forma você ainda está aqui, nas minhas lembranças, na minha bagunça, no adeus que eu não consegui deixar na sua vida. Eu sei que de alguma forma você ainda faz parte de mim.

Acredito que devemos falar tudo o que é preciso. Não quero que as nossas lembranças sejam apenas “tudo o que não dissemos”. É isso que me consome dia após dia. As coisas que eu não te disse, o sentimento que não demonstrei, o amor que não deixei você sentir, a saudade que eu não demonstro que sinto.




Hoje não cabem mais encontros e voltas para que nosso capítulo realmente tenha um final merecido. Às vezes eu acho que é esse “não adeus” que ainda me dá esperança, que ainda me mantém firme. Se não nos despedimos, você de fato não foi. Será mesmo?

Será que uma palavra apenas é capaz de encerrar todo os momentos bons e todas as alegrias que tivemos juntos? Será que somos tolos a ponto de acreditar que o que não se termina realmente não acabou?

Nós não nos despedimos, mas te sinto cada vez mais longe. Cada vez mais distante daquilo que um dia fomos um para o outro. Não te dizer adeus talvez tenha sido uma forma de amenizar a dor, de interromper um sofrimento, de ainda acreditar que um dia você vai voltar.

Mas pra quê dizer uma coisa que já está dita em atitudes e coisas reais? Você se foi e é nisso que verdadeiramente eu preciso me agarrar, na realidade que a vida insiste em me dizer aos gritos. Nós não nos despedimos porque talvez já não fosse necessário, já estávamos em caminhos diferentes.

Não nos despedimos porque somos dois covardes. Duas pessoas que não sabem lidar com um sentimento que já teve fim ou que não pode mais continuar. Fomos covardes porque nunca tentamos dizer o que um sentia pelo outro e ainda assim alguém se foi primeiro. Não nos despedimos porque talvez você permaneça pra sempre no meu coração


Deixe sua opinião, conte sua história ou seu desabafo nos comentários abaixo, vou respondê-los com todo carinho <3

Se você gostou desse texto da Gisele Ribeiro, deixe seu comentário <3 E olha, tenho certeza que você vai AMAR esse texto também: Se for pra ser, seremos

Eu também sou colunista de outros blogs, dá um pulinho lá para conferir: Que Me Transborde / Superela /  Recalculando a Rota.

Gisele Ribeiro

Gisele Ribeiro, Gaúcha - Gremista - Escorpiana. Jornalista e Relações Públicas, mora em Caxias do Sul, RS. Apaixonada por livros, música, poesia, chimarrão e cachorro. As coisas simples a encantam e as palavras a transborda.

3 comentários em “O adeus que a gente nunca disse

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *