Eu me declaro culpada

Eu me declaro culpada

Sabia que, com toda certeza, alguma coisa no universo aconteceu por sua culpa?

E olha que não é exagero! Você realmente é responsável por grande parte das coisas que acontecem ao seu redor.

Ninguém nesse mundão de Deus é isento de culpa.

Todos nós temos uma parcela de “culpa no cartório” por alguma coisa. Coisas boas, outras nem tanto. Sua culpa não é maior ou menor, pior ou melhor que a de qualquer outra pessoa. Culpas são culpas e ponto.

E isso é bom, isso é viver, é marcar passagem e escrever linhas na sua história e na história dos outros.

Tenho uma definição de culpa para te mostrar… E tenho certeza que se te fizer bem, a culpa será toda minha.

Eu me declaro culpada sim, por muitos sorrisos e por algumas lágrimas também. Por acertar em cheio em vários momentos e errar em tantos outros.

Nós temos um péssimo hábito: O de se cobrar demais, sabia?! E na maioria das vezes a gente perde muito tempo se condenando, principalmente por situações que já foram resolvidas. É como se os nossos próprios dedos apontassem, constantemente, para nós mesmos. Sempre cutucando as nossas feridas…

Até tentamos seguir em frente, mas por vezes a culpa volta! E aí bate aquela “bad”.

O que a gente realmente precisa é compreender essa culpa que nos machuca. Conviver em paz com ela até que ela se despeça e vá embora de vez… Pois acredite: Uma hora ela vai ter que ir embora para você poder seguir em frente.

O fato de reviver a culpa por algum erro acaba te algemando ao passado. Isso interrompe o seu presente e torna difícil a conquista de um futuro feliz.

Se é pra deixar a culpa entrar, que a gente a convide pra tomar um vinho e escute o que ela tem a dizer, pra fazer valer, pra aprender o que ela tem a ensinar e por fim deixá-la partir o quanto antes.

Aceite que você erra tanto quanto acerta. Entenda que isso é ser humano. Errar é mesmo humano. Você provavelmente errou em algo hoje e acredite, vai errar amanhã de novo, às vezes até sem perceber.

Sentir culpa é ter consciência, sentir culpa é o caráter te mostrando sua real essência. É aquele alarme que toca no nosso subconsciente, corrigindo-nos e ensinando. Não adianta negar. Precisamos muito dele pra crescermos e amadurecermos como pessoas.

Acredite: Sentir culpa é essencial. Triste mesmo é quem erra e não sente nada pelo erro. Esses serão cobrados eternamente pela vida por não terem a capacidade, ou melhor, oportunidade de aprender com suas falhas.

Sentir culpa é ser humano no sentido íntegro da palavra.




Aprenda a sentir-se culpado pelos seus acertos tanto quanto ou mais que pelos seus erros.

Sinta a culpa pelas coisas boas com as quais você contribuiu. O nome disso é reconhecimento. Sinta-se muito culpado pelo bem que você faz.

Precisamos cultivar dentro da gente o eco do bem que fazemos, ao invés de remoer nossos deslizes.

Precisamos parar de enumerar nossos erros sem considerar os acertos, que tenho certeza são muitos. O ser humano não está de todo perdido.

Ainda existe amor, companheirismo, lealdade, bondade, força de vontade. Tenho certeza de que parte deles estão presentes nos seus dias. Então por que ignorá-los dando espaço a um erro que qualquer um poderia ter cometido em seu lugar? Foi sua vez de errar, só isso.

Aos invés de sentir culpa pelas vezes que teve de partir, enxergue as tantas vezes que, mesmo precisando ir, você escolheu ficar.

Não sinta culpa pelas palavras ditas na hora errada, reconheça os conselhos oferecidos na hora certa, os confortos de carinho que fizeram diferença na vida de alguém.

Acredite: Você é uma boa pessoa.

Desejo que você escute muitas vezes que o dia de alguém ficou melhor por sua culpa, ou então que alguém mudou de uma opinião errada por culpa sua.

Que você tenha uma balança justa entre erros e acertos, que você se reconheça nas culpas que te couberem, que elas te ensinem e te deem a oportunidade de se redimir. Que seus erros te tornem alguém melhor sempre.

Consequências para lidar todos temos. Pelo menos algumas! Boas ou ruins, louváveis ou corrigíveis. São frutos do nosso livre arbítrio, do nosso direito de ir e vir.

Você precisa parar de perder tempo ou pior, perder vida, remoendo o passado. Aceite-se como ser humano, ser errante, longe da perfeição.

Enfim, faça as pazes com suas culpas, todas elas, e siga mais leve e feliz consigo mesmo.

Eu sou culpada pelo sorriso da pessoa que amo.

Sou culpada pelos bons resultados de conselhos que dei.

Sou culpada por tudo que conquistei até hoje, com meu esforço e dedicação.

Sou totalmente e inteiramente culpada por cada momento de felicidade que presenciei.

Eu tenho muitas culpas com as quais aprendi e outras das quais muito me orgulho.

Se você entendeu esse texto vai perceber que você também tem.

Eu me declaro e me aceito, culpada.


Deixe sua opinião, conte sua história ou seu desabafo nos comentários abaixo, vou respondê-los com todo carinho, afinal de contas todos nós temos as nossas doçuras e amarguras dentro do coração <3

Se você curtiu o texto da Viviane Teixeira, leia também esse aqui, você vai AMAR com certeza: Eu cheguei a pensar

Enfim, eu também sou colunista de outros blogs! Então dá um pulinho lá para conferir: Que Me Transborde / Superela /  Recalculando a Rota.

Viviane de Oliveira Teixeira

Viviane de Oliveira Teixeira, mora em Ubá, interior de Minas Gerais.  Transfere para o papel tudo o que lhe inspira e lhe incomoda, sempre compartilhando com as pessoas, refletindo e buscando aprender cada vez mais.

2 comentários em “Eu me declaro culpada

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *