Se está dando certo, será que vai dar errado?

Sabe, eu já tive muito medo da gente dar errado, afinal, já deu errado tantas vezes.

Aquela insegurança de me jogar e nadar, nadar, pra morrer na praia, com uma ferida enorme no peito.

Já deu errado e demorou para cicatrizar. Deus sabe o quanto doeu a ponto de eu pensar que nunca mais me recuperaria.

E então, como uma oferta de paz do destino, ou melhor dizendo, como uma recompensa do destino, tudo começou a dar certo. E tem dado certo até hoje.

Mas não vou mentir… Vez ou outra me pego olhando pra você e tentando decifrar seus próximos passos. Preciso me precaver… Proteger-me do tombo e da dor.

É que só de lembrar, sinto a dor latejar, como se nunca tivesse cicatrizado de verdade, como se estivesse ali só pingando onde antes jorrava.

Será possível alguém mudar assim? Mudar de vez? Me pergunto quase todo dia.

Porque na verdade, em mim, em nós, nada mudou.

É que eu ainda sou eu, mesmo corpo, mesma mente, mesmos benefícios e malefícios.

Então por que agora você conduziria as coisas de modo diferente?

Porque dessa vez daria certo “para sempre”, se na última vez não deu?

Eu tento manter esses pensamentos o mais longe possível. E quando não consigo evitar que eles tomem conta da minha cabeça, eu simplesmente me esforço para que fiquem pelo mínimo de tempo.

Tem que ter coragem pra tentar de novo depois que tudo deu errado.

É meio que se jogar no invisível com apenas uma certeza: Já deu merda e existe a grande probabilidade de dar merda de novo, mas vai que não dá né?!

E tem dado certo, muito certo.

Fechei os olhos pro passado e cá estou, nova em folha reescrevendo a história sem colocar na ponta do lápis aquela decepção, aquela dor e aquelas lágrimas incessantes.

Como se fosse um outro relacionamento, um novo cara, mesmo sendo o mesmo relacionamento com a mesma pessoa.

O que mudou, com certeza, foram os planos.

Agora estão meio recuados; e isso é totalmente aceitável, não é possível acreditar por inteiro.

A gente acredita desacreditando que é pra voar com um pé só, mantendo o outro firme e bem preso, quase que enterrado no chão, para o caso de cairmos de novo.

Se tem uma coisa que aprendi é que só dá certo por um tempo, depois vai dar errado, e em seguida certo de novo.

São ciclos. Alguns vão durar mais que outros, algumas pessoas vão preferir redefinir novas rotas. Outras assim como eu vão preferir redefinir valores, prioridades e a tal da esperança.

Não julgo quem prefere ir quando algo da errado. Muito menos quem escolhe ficar pra salvar o que ficou e reparar os danos.

Os dois são corajosos, pois também é preciso coragem pra desistir.

Cada um sabe até onde suporta a dor e até que ponto é possível recomeçar.




E digo como causa própria, não é fácil reconstruir os destroços quando você caiu junto com eles, quando você não só assistiu como sentiu aquilo tudo desabar em cima da sua cabeça.

Mais difícil ainda é acreditar que a pessoa que segura sua mão pra te levantar do chão é exatamente a mesma que apertou o gatilho que te jogou lá.

Há quem diga que antes de dar certo, dá muito errado… Então prefiro acreditar que já passei pelo pior.

Aprendi a não julgar ninguém por suas escolhas. Acredito que os momentos em que fracassamos ou fracassam com a gente servem de alguma forma para nos testar como seres humanos. Servem pra nos colocar num ponto de escolha e testar nossa força de vontade, nossa empatia, e a nossa Fé na vida, no amor e no outro.

Serve pra mostrar e ensinar que ser humano é ser falho. Ninguém é perfeito. Se quisermos que dê certo, precisamos aprender a perdoar os erros, a lidar com eles e a seguir em frente.

E quando a vida perceber que estamos colocando alguém acima da gente, dos nosso ideais, e que estamos fazendo de um humano falho nosso exemplo de perfeição, ela vai fazer dar errado de novo, porque a gente ainda não aprendeu o suficiente.

E a gente vai se revoltar, praguejar e procurar um culpado sendo que a culpa não cabe a ninguém… Ou melhor, a culpa cabe a todos os envolvidos.

A culpa é de quem falhou contigo sim, mas a culpa também é sua por esperar demais de alguém programado pra errar. Isso mesmo, somos programados pra pisar na bola, somos eternos errantes.

A culpa não é de ninguém, é apenas o ciclo da vida seguindo seu percurso natural. Deu errado agora porque não era a hora de dar certo.

Vai dar certo lá na frente, ou amanhã, ou no fim desse mesmo dia.

Só acredite que você não nasceu pra sofrer. Acredite que todos passaremos por momentos difíceis e momentos favoráveis.

Acredite que, por pior que seja a pessoa que cruzou seu caminho, ela veio para te ensinar algo, mesmo que seja para te ensinar a como não ser um “filho da mãe”.

E quando estiver dando certo, assim como está dando certo pra mim hoje, aproveite cada instante. Preocupe-se em gravar cada sorriso, cada abraço, cada gesto de carinho. Você vai precisar deles caso torne a dar errado.


Deixe sua opinião, conte sua história ou seu desabafo nos comentários abaixo, vou respondê-los com todo carinho, afinal de contas todos nós temos as nossas doçuras e amarguras dentro do coração <3

Se você curtiu o texto da Viviane Teixeira, leia também esse aqui, você vai AMAR com certeza: Eu me declaro culpada

Enfim, eu também sou colunista de outros blogs! Então dá um pulinho lá para conferir: Que Me Transborde / Superela /  Recalculando a Rota.

Viviane de Oliveira Teixeira

Viviane de Oliveira Teixeira, mora em Ubá, interior de Minas Gerais.  Transfere para o papel tudo o que lhe inspira e lhe incomoda, sempre compartilhando com as pessoas, refletindo e buscando aprender cada vez mais.

2 comentários em “Se está dando certo, será que vai dar errado?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *