Eu mereço uma nova chance

Eu mereço uma nova chance porque sei que ainda sou capaz de me amar. Estive triste por muito tempo, é bem verdade, mas sei que há uma força maior dentro de mim… O inexplicável… O que me mantém vivo apesar de tantos percalços. Dores inevitáveis aconteceram. Por muitas vezes eu me senti vencido. Esgotado. Palavras ditas me machucaram profundamente. A vida me deu todos os motivos possíveis e impossíveis para desistir… Abandonar o barco.

Provações acontecem, isso é um fato. Decepções, saudades perturbadoras, perdas irreparáveis. Até mesmo um amor pode fenecer.  Eu não sucumbi. Não sei explicar exatamente o porquê, mas eu não me rendi. Talvez porque uma voz que vive aqui dentro de mim insistia em me dizer que “ainda não era o fim”.

Ainda não é o fim…

Eu mereço uma nova chance porque entendi que viver é também ser testado. Sinto que apesar de tantos equívocos e decisões impensadas, tantas mágoas e culpas, eu estou me saindo bem nesse teste. Cada luta, cada dor e cada perda estão gravando aprendizados importantes em mim. Aos poucos eu estou enxergando todos eles.

Quanto mais eu aprendo, maior eu me torno. Vou assim, dia após dia, tornando-me grande e senhor de mim.

Eu mereço recomeçar porque ainda sou capaz de sorrir e de me encantar por sorrisos. Ainda tenho braços para acolher, olhos para enxergar almas, palavras para enxugar lágrimas. Sinto que há em mim sabedoria o suficiente para criar novos sonhos e estabelecer novos ângulos para uma mesma realidade…

Afinal de contas, eu não sou tão frágil assim como pensei que fosse.

Palavras “mal ditas” podem te jogar no fundo do poço. Por quantas vezes eu me deixei levar por mentiras que inventaram sobre mim?! Por quanto tempo eu acreditei piamente no que me disseram?! Pessoas levianas podem destruir todos os seus sonhos… Basta que você dê poder a elas. Ilusões…




Sim, eu sei que tenho minhas fragilidades, meus medos e minhas inseguranças. Isso é ser humano. Mas estou aprendendo a lidar com tudo isso e a superar essas barreiras… Compreender a própria fragilidade é trabalho para os fortes. Nem todos conseguem essa proeza, acredite.

Eu mereço uma nova chance porque abandonei o papel de vítima. Reconheço-me como sou, com todas as minhas tristezas e alegrias, com todos os meus fracassos e vitórias, com minhas belezas e feiuras, com todos os meus erros e acertos. Acolho minhas lágrimas e celebro meus sorrisos. Torço por mim. Abro todas as portas e crio todas as possibilidades de felicidade. Olho o reflexo do espelho e sou capaz de reconhecer minhas sombras sem que isso me cause espanto ou repulsa.

Eu não me nego a ser quem sou. Eu me permito ser… Sou. Sem julgamentos e condenações.

Eu mereço uma nova chance porque aprendi a me conhecer… E assim conheço o outro. Sou capaz de compreender seus medos e de ser compassivo com seus erros. Eu me dou a chance de perdoar e de sentir compaixão.

Eu mereço uma nova chance porque apesar de ter me abandonado por tanto tempo, eu tive coragem o bastante para resgatar a mim mesmo…

Estou diante de uma página em branco. O novo. O recomeço. A nova chance. Não vou desperdiçá-la.


Deixe sua opinião, conte sua história ou seu desabafo nos comentários abaixo, vou respondê-los com todo carinho, afinal de contas todos nós temos as nossas doçuras e amarguras emocionais <3

Gostou do texto?! Então leia também esse aqui, você vai AMAR com certeza: Às vezes, dar um passo para trás, também é recomeçar

Enfim, eu também sou colunista de outros blogs, dá um pulinho lá para conferir: Que Me Transborde / Superela /  Recalculando a Rota.

Hugo Ribas

Hugo Ribas é pisciano, escritor, leitor e também uma metamorfose ambulante. Criador deste blog e colunista do blog Que Me Transborde, adora se perder em sentimentos escritos e nem sempre consegue se encontrar em suas próprias palavras. Personagens, narrador e pensamentos se fundem num texto só. Nasceu em Jundiaí - SP e mudou-se para São Paulo - SP aos 16 anos, onde se formou em Design Gráfico e cursou teatro pelo Teatro Escola Macunaima. Apresentou peças de Gianfrancesco Guarnieri e Friedrich Dürrenmatt.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *