suicidio pare nao faca isso hugo ribas
Textos dos colaboradores

Suicídio: Pare! Não faça isso.

Suicídio: Pare! Não faça isso.

Eu sei que não será fácil falar sobre este assunto e que você preferia estar lendo um texto que descrevesse as maravilhas da vida… Eu sei que este tema pesa, mas principalmente o peso está nas pessoas que um dia passaram por isso e não conseguiram traçar outro caminho.

Eu falo do SUICÍDIO, da vontade que algumas pessoas sentem de não viver, de não estar mais neste mundo, essa vontade que cada vez mais jovens e adolescentes vivem de querer derrotar a dor que existe dentro deles. Precisamos falar sobre isso.

Segundo a OMS (Organização Mundial de Saúde) a cada 40 segundos uma pessoa comete suicídio no mundo. 90% destes casos poderiam ter sido evitados, já que segundo a OMS, para cada suicídio houve 26 tentativas. Mas essa triste realidade não acomete somente os países de terceiro mundo, pois em países economicamente estáveis o número de ocorrências também é elevado.

O Brasil é o quarto país com mais ocorrências de suicídios da América Latina.

Com um aumento de mais de 10% nos casos nos últimos anos. E quais seriam os fatores para tais ocorrências? As mais variadas: depressão, vulnerabilidade social, desemprego, perdas recentes ou problemas na família. O uso de drogas e álcool também podem influenciar nestas fatalidades.

Mas o que leva uma pessoa a pensar em suicídio? Acredito que não seja a vontade de tirar sua própria vida e sim a busca incessante de aplacar a dor que sente na alma.

Já não existe paz naquele mundo, já não existe esperanças naquele mundo, já não existem sonhos. Então de alguma forma, é necessário é acabar com aquela dor, com aquele sufoco, com aquele aperto… E a única saída mais rápida de tudo isso acabar, é tirando a própria vida. Mas não é isso que essa pessoa quer de verdade, ela só quer se livrar do que dói, do que lateja lá dentro.

Eu acredito muito que, tanto as pessoas que conseguiram buscar ajuda quanto as que não conseguiram a tempo, REALMENTE queriam pedir essa ajuda. Tudo o que elas precisavam era encontrar alguém que pudesse ouvi-las e ampará-las, alguém com quem pudessem dividir suas dores, seus dilemas.

Gostariam de encontrar alguém para quem pudessem contar seus medos, suas inseguranças, seus sentimentos. Alguém que pudesse ajudá-las a enfrentar seus monstros e vencer seus pesadelos. Alguém com quem elas pudessem dividir um pouquinho da carga…

Ela só queria que alguém escutasse seu pedido de ajuda…

Mesmo sem conseguir pronunciar uma palavra. Diante do desespero enlouquecedor de se livrar daquele sofrimento, as pessoas tomam atitudes que custam muito caro… inclusive a própria vida.

É lamentável o fato de que muitas pessoas não conseguem pedir ajuda… E, normalmente, quando pedem não são compreendidas da forma que merecem e precisam. Inseguranças, períodos de carência, solidão, fracassos pessoais… Tudo é motivo para que uma pessoa pense em dar fim à sua própria vida.

Por isso, neste momento, é importante a empatia e a compreensão. A pessoa com tendências ao suicídio não está querendo lições de moral ou que alguém a faça enxergar o mundo com outras lentes. Ela não consegue agora, não do jeito que as pessoas cobram.

Cobrança: tá aí uma coisa que não pode existir. Nem sempre ficar deitado na cama é sinônimo de preguiça. Há muito mais por trás dos sentimentos, atitudes e reflexos de uma pessoa. As dores da alma também são doenças, precisam ser tratadas e principalmente respeitadas. Muitas vezes essas pessoas não conseguem ver além, só conseguem enxergar a sua dor, o seu tormento.

Não existe vergonha nenhuma em pedir ajuda.

Mas algumas pessoas realmente não conseguem emitir esse som de socorro. Por isso é tão importante a participação de familiares e amigos nessa jornada. É importante que todos fiquem atentos a qualquer movimento diferente. Um passo em falso e o número dessa penosa estatística aumenta.

Não é hora de julgamentos ou de interpretações erronias. Algumas pessoas precisam ser olhadas de perto… Já pensou que coisa linda você salvar uma vida com um simples abraço? Escute mais, preste atenção no que as pessoas falam que sentem… Às vezes um grande pedido de ajuda está escondido num simples comentário ou numa brincadeira sem graça, mas que carrega um peso enorme, o peso da própria vida.

Aprenda a entender as pessoas, a ouvir, e não saia simplesmente disparando conselhos que neste momento nem vão surtir efeito algum. Abrace! Às vezes este pode ser o único carinho que essa pessoa recebeu depois de tanto sofrimento. Mostre que existem coisas que podem fazê-la sorrir de novo.

Enfim, se você alguma vez já teve este tipo de pensamento, peça ajuda. Converse com alguém que possa te ajudar. Vá ao médico, ou peça pra alguém te levar. Procure a companhia de pessoas positivas e de pessoas que superaram dores inimagináveis… Elas podem te ajudar e te inspirar a vencer. Sua vida é muito preciosa para acabar num impulso. Você é muito maior do que qualquer dor que assola seu coração agora.


Deixe sua opinião, conte sua história ou seu desabafo nos comentários abaixo, vou respondê-los com todo carinho, afinal de contas todos nós temos nossas dores e doçuras emocionais <3

Então se você gostou desse texto da Gisele Ribeiro, deixe seu comentário <3 Enfim, tenho certeza que você vai AMAR esse texto também: Eu mereço uma nova chance

Eu também sou colunista de outros blogs, dá um pulinho lá para conferir textos ainda mais lindos: Superela /  Recalculando a Rota.

Gisele Ribeiro, Gaúcha - Gremista - Escorpiana. Jornalista e Relações Públicas, mora em Caxias do Sul, RS. Apaixonada por livros, música, poesia, chimarrão e cachorro. As coisas simples a encantam e as palavras a transborda.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *