Textos do Hugo

Eu não estou afim de ser a última opção

Eu não estou afim de ser a segunda opção de alguém, muito menos de ser a última opção. Não fui feito para viver de migalhas emocionais. Eu sofri demais até entender que poucas pessoas tem a verdadeira noção do que significa “responsabilidade afetiva”. Isso me quebrou por inteiro, eu admito, mas isso também me ensinou a valorizar mais a pessoa que eu sou. A verdade é que eu me tornei a minha principal prioridade.

Pensa comigo: Está cheio de gente por aí que não tem o menor respeito para com os sentimentos dos outros. Isso é um fato. Para você ter uma ideia, eu recebo muitas mensagens de leitores relatando problemas emocionais porque se sentem tratados como objetos descartáveis. Outros estão detonados em função de traições e relacionamentos abusivos. Muitos estão com a autoestima lá embaixo porque estavam saindo com alguém que fez inúmeras promessas e não cumpriu nenhuma.

Eu já passei por tudo isso. Acho que todo mundo já experimentou essa sensação de “ser somente uma opção” na vida de alguém… E então eu te pergunto: Por que é tão difícil se desvencilhar de pessoas assim? Resposta: Somos vítimas da nossa própria carência afetiva. Acabamos desenvolvendo uma dependência emocional muito grande. Enxergamos amor onde só existe ilusão.

Há um meio de evitar que isso aconteça? Sim.

Primeiro de tudo: Busque entender os motivos de sua carência. Isso é de extrema importância. Descubra o que te falta aí dentro da alma, este é o primeiro passo para o autoconhecimento. Todo mundo tem uma vontade enorme de ser amado, talvez seja por isso que a gente anda tão carente… Então comece você a se amar, proporcionando-se bons momentos. O autoconhecimento é extremamente importante nesse processo, pois conhecer a si mesmo é um meio de descobrir o tipo de sementes que estamos plantando na nossa vida.

Segundo: Reconheça suas qualidades, valorize seus sonhos e jamais se abandone. Tem dias que a gente se sente assim, abandonado pelo mundo, mas vou te dizer uma coisa: Eu já conheci muitas pessoas que viviam cercadas de “amigos” e mesmo assim se sentiam muito sozinhas… Sabe por quê?! Porque elas tinham se abandonado há muito tempo. A solidão começa quando você se abandona. Mesmo que todo mundo se afaste, você ainda tem a sua própria companhia para curtir. Você é a única pessoa que sempre vai estar ao seu lado, então faça as pazes com seu passado, perdoe-se pelos erros cometidos. Olhe-se no espelho e conheça o seu melhor amigo: Você! E você não depende da companhia de ninguém para ser feliz.

Terceiro: Comece a desenvolver o seu respeito próprio. Respeite o que você sente, respeite sua história, suas dores. Respeite as marcas que te transformaram na pessoa que você é. Quando a gente aprende a se respeitar de verdade, a gente não admite mais ser desrespeitado por ninguém. Quando alguém se aproximar de você com a intenção de se divertir às suas custas, você vai sacar logo de cara. O seu respeito próprio vai determinar o tipo de pessoa que você quer na sua vida. Isso é extremamente importante.

Saiba muito bem que tipo de amigos e amores você quer ter por perto.

Valorize a sua própria presença. Dê prioridade ao ser especial que você é… Empodere-se… E então as pessoas vão notar que você não é qualquer um. Muitos vão tentar te diminuir ou te tratar com indiferença, mas você estará protegido pela imensa camada de amor próprio criada ao seu redor. Você vai aprender a identificar facilmente as pessoas que não sabem respeitar o que você sente.

Priorize-se, acima de tudo, priorize-se.

Talvez assim você atraia pessoas que estejam nessa vibe também. Alguém que também esteja afim de se curar, de amar e ser amado. Alguém que te dê a prioridade que você merece porque aprendeu a se respeitar e respeitar os sentimentos dos outros.

Não se contente em ser só uma opção na vida de alguém. Seja você a sua prioridade.


Deixe sua opinião, conte sua história ou seu desabafo nos comentários abaixo, vou respondê-los com todo carinho, afinal de contas todos nós temos as nossas doçuras e amarguras emocionais <3

Gostou do texto?! Então leia também esse aqui, você vai AMAR com certeza: O que eu aprendi com as pessoas que me fizeram sofrer

Hugo Ribas é pisciano, escritor, leitor e também uma metamorfose ambulante. Criador deste blog e colunista do blog Que Me Transborde, adora se perder em sentimentos escritos e nem sempre consegue se encontrar em suas próprias palavras. Personagens, narrador e pensamentos se fundem num texto só. Nasceu em Jundiaí - SP e mudou-se para São Paulo - SP aos 16 anos, onde se formou em Design Gráfico e cursou teatro pelo Teatro Escola Macunaima. Apresentou peças de Gianfrancesco Guarnieri e Friedrich Dürrenmatt.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *